Projeto da USP inspira estudantes e comunidades a participarem de transformação socioambiental

O projeto Corredor Caipira da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da USP acaba de lançar novas cartilhas, com download gratuito, contendo orientações para elaboração de projetos socioambientais e agroecológicos

 28/11/2022 - Publicado há 2 meses
Corredor Caipira lança Guia com orientações para realização de projetos agroecológicos – Foto: Divulgação / Corredor Caipira

.
Como abordar a questão socioambiental no ensino fundamental? Como propiciar a participação das crianças num processo transformador do território? Como promover uma educação ambiental esperançosa dentro e fora da escola? O projeto Corredor Caipira: Conectando Paisagens e Pessoas, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP, patrocinado pela Petrobras, criou uma cartilha que busca apresentar caminhos pedagógicos para uma vida mais harmoniosa envolvendo seres humanos e natureza. A publicação é dedicada a educadores dos ensinos fundamental I e II, mas também para inspirar educadores de outras faixas etárias, seja no ensino formal ou informal, além de comunidades e poder público, a participarem desse projeto transformador.

“Existe uma importante premissa neste projeto: Só conseguiremos conectar as paisagens se as pessoas estiverem conectadas. Assim, trabalhamos com processos de educação, arte, cultura, articulação e fortalecimento de políticas públicas. Acreditamos que estas são chaves de criação de pertencimento e identidade. O pertencimento e a identidade, por sua vez, são chaves para essa conexão”, dizem os autores do novo Guia Metodológico do Projeto, Como conectar paisagens e pessoas com florestas, cultura e participação. O guia está disponível para download neste link.

Segundo a publicação, para que as ações de restauração florestal ocorram e possam perdurar no território é imprescindível criar processos de mobilização, articulação e diálogo permanente com organizações e comunidades presentes no território; e estabelecer processos de formação contínua com toda a população e as instituições diretamente envolvidas com as restaurações florestais. A publicação exemplifica como o projeto realizou esse processo educador, contando, principalmente, com a colaboração, das mulheres, dos afrodescendentes, das crianças e dos agricultores.

Outro guia, recém-lançado, reúne links úteis e referências para se aprofundar nos temas abordados da cartilha Árvores Guardiãs: conceitos e atividades para uma educação transformadora. Educadores também podem baixar gratuitamente a cartilha Árvores Guardiãs neste link; nesse material, estão sete árvores, e sete atividades práticas e lúdicas que possibilitam a reflexão e o aprendizado – cada uma delas têm uma ou mais disciplinas envolvidas, com potencial de serem trabalhadas de forma interdisciplinar.



Sobre o projeto

O Corredor Caipira é uma iniciativa do Núcleo de Apoio à Cultura e Extensão em Educação e Conservação Ambiental (Nace-Pteca), da Esalq, realizada também pela Fundação de Estudos Agrários Luiz de Queiroz (Fealq). O projeto foi aprovado no Programa Petrobras Socioambiental e conta com o patrocínio da Petrobras, além de parcerias com comunidades locais, pesquisadores, educadores, empresas, instituições de pesquisas e órgãos ambientais da esfera pública

O propósito é conectar fragmentos florestais de 18 municípios do interior de São Paulo, por meio da construção de corredores ecológicos. A expectativa é que o projeto consiga recuperar 45 hectares de vegetação nativa, plantando cerca de 90 mil mudas de árvores. Ao longo dessa ação, o Corredor Caipira busca incentivar o envolvimento da população local na preservação do meio ambiente. Assim, a iniciativa atua no oferecimento de cursos em educação ambiental para os moradores da região e na formulação de políticas públicas voltadas para a conservação da Mata Atlântica na região.

Para acompanhar as atividades do Corredor Caipira acesse o site https://corredorcaipira.com.br, o Instagram e o Facebook.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.