Projeto da Poli sobre transição energética é destaque em competição internacional

Guilherme Lenz e o grupo de alunos de graduação e pós-graduação comentam sobre o projeto que promove uma alternativa de transição energética à base de hidrogênio e que ficou em segundo lugar no Metal Cup

 Publicado: 30/09/2021

 

A equipe da Poli participa pela quarta vez da competição – Foto: Reprodução -https://www.youtube.com/watch?v=NVQUgr8dNzE

Um projeto da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo ganhou destaque na competição Metal Cup, na Rússia, ao demonstrar o uso de hidrogênio na siderurgia no caminho para a transição energética. “A equipe da Poli já participa pela quarta vez e neste ano o time de alunos de graduação e pós-graduação ficou em segundo lugar com esse projeto sobre transição energética à base de hidrogênio”, destaca Guilherme Lenz, professor da Poli, ao Jornal da USP no Ar 1° Edição. O Metal Cup é uma competição para alunos que começou em 2015, na região da Sibéria, mas foi somente em 2017 que se tornou internacional.

Lenz também explica que, devido à pandemia, as últimas duas versões do evento foram feitas de modo remoto. O projeto dos alunos da Poli foi apresentado on-line e busca propor alternativas para a transição energética, visto que, segundo Lenz, a siderurgia é um grande consumidor de energia e utiliza bastante o carbono em sua matriz energética, por exemplo, por meio do carvão vegetal ou coque de petróleo. “Uma das respostas da equipe foi utilizar o gás metano, seja o gás natural ou o biometano, para conseguir adaptar a tecnologia e alcançar o próximo passo, que é a utilização do hidrogênio”, explica Lenz. Ele ressalta a necessidade de superar as matrizes energéticas de siderúrgicas e metalúrgicas à base de carvão.

Natália Piedemonte, engenheira química e aluna de pós-graduação do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, comenta que participa da competição desde 2019. Natália revela que, antes da pandemia, o evento presencial que aconteceu em 2019 em Krasnoyarsk, na Rússia, proporcionou aos alunos palestras, jogos, visitas técnicas e interação entre os grupos de alunos de diferentes países. “Essa experiência de estar lá com alunos da Jamaica, da China, falando inglês, aprendendo coisas novas sobre metalurgia e a cultura local foi inesquecível”, destaca.

Outro aluno de pós-graduação que também participou do Metal Cup foi Vitor Bindo. Ele destaca que construir o trabalho com o time de sete alunos foi um desafio. “A gente utilizou as ferramentas que a própria USP disponibiliza, como o Google Meet, para reuniões, e o Google Drive, porque fizemos um levantamento de dados de modo massivo e para estruturar os dados a gente precisou de muitas referências e informações”, explica Bindo. Ele também esclarece que sua participação no evento o ajudou a desenvolver melhor suas aptidões enquanto engenheiro de Materiais. “O inglês também foi essencial”, destaca.

A participação em competições como a Metal Cup auxilia na formação pedagógica e no alto desenvolvimento dos profissionais  – Foto: Reprodução

 

Outros alunos da Poli que já participaram do evento foram Daniele Consani, Felipe Fauaz e Fernando Leal. Daniele analisa que o engajamento e a presença feminina nas duas últimas edições do evento de que ela participou foram louváveis. Fauaz participou pela segunda vez no evento este ano e comenta que sua motivação é colocar em prática as metodologias e desenvolver ferramentas que solucionem os desafios atuais. Por fim, Leal destaca que, mesmo participando como calouro, o evento deu o suporte e treinamento necessários. “Mesmo eu não tendo conhecimento aprofundado no começo, depois da competição eu saí muito mais preparado na questão da metalurgia”, finaliza.

Lenz explica que a participação em competições como a Metal Cup auxilia na formação pedagógica e no alto desenvolvimento desses profissionais. Ele também analisa que a transição energética é inevitável e que novas energias vão surgir e serem implementadas na sociedade. “A gente precisa saber qual é o futuro que nós queremos e como pensar essa mudança do futuro para ter uma sociedade e um planeta mais ecologicamente sustentável”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.