Projeto busca transformar áreas de garimpo em operações de mineração sustentável

Giorgio De Tomi comenta os esforços do Núcleo de Pesquisa em Mineração da Poli-USP para capacitar garimpeiros frente às novas exigências ambientais para a atividade

 Publicado: 25/11/2021
Com as crescentes exigências em relação à mineração, o processo de regularização da lavra garimpeira se tornou ainda mais demorado e complexo – Foto: Flickr

Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1° Ediçãoo professor Giorgio De Tomi, do Departamento de Engenharia de Minas e de Petróleo da Escola Politécnica (Poli) da USP, conta sobre o projeto do Núcleo de Pesquisa em Mineração, do qual faz parte, para promover a mineração responsável em áreas de garimpo. 

Inicialmente, Tomi destaca que o garimpo, também conhecido como mineração artesanal, é uma atividade legalmente estabelecida no País. “A imprensa muitas vezes utiliza a palavra ‘garimpo’ como sinônimo de ‘extração ilegal’, o que não é correto. Desde que cumpra a legislação ambiental, a trabalhista e opere formalmente, essa mineração de menor porte é legal e garantida pela Constituição”, diz.

Com as crescentes exigências em relação à mineração, o professor afirma que o processo de regularização da lavra garimpeira se tornou ainda mais demorado e complexo. “Agora, além das exigências técnicas, econômicas, trabalhistas e gerenciais, há também as exigências ambientais”, conta Tomi, que usa, como exemplo, o recente compromisso do Brasil com as metas da COP26 para a redução da emissão de carbono. “Uma das grandes ambições do nosso projeto é capacitar esses garimpeiros e propor a eles alguns modelos de atuação que sejam sustentáveis a longo prazo. Estamos atuando com duas corporativas na região amazônica, onde a urgência para achar um caminho de evolução é maior”, completa.

Por fim, o professor reforça a importância do apoio da iniciativa privada e outras instituições ao projeto, que conta inclusive com financiamento de um fundo do Banco Mundial. “O garimpo é uma atividade interessante e que precisa ser trabalhada”, conclui.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.