Professor da USP em Piracicaba é um dos ganhadores do Prêmio Fundação Bunge

José Vicente Caixeta Filho foi premiado na Área de Ciências Exatas e Tecnológicas – tema Infraestrutura de Transportes, na categoria Vida e Obra

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Na última sexta-feira, 22 de julho, o Prêmio Fundação Bunge divulgou os contemplados de sua 61ª edição. Entre os vencedores está José Vicente Caixeta Filho, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP em Piracicaba. Ele foi premiado na Área de Ciências Exatas e Tecnológicas – tema Infraestrutura de Transportes, na categoria Vida e Obrapor seus trabalhos voltados para a área de Logística Agroindustrial, com destaque para transporte, armazenamento e pesquisa operacional.

BN_Caixeta_Premio_Bunge_0002
José Vicente Caixeta Filho, à esquerda, recebeu os cumprimentos do diretor da Esalq, Luiz Gustavo Nussio – Foto: Gerhard Waller

Em 2016, a premiação homenageia as áreas de Ciências Agrárias e de Ciências Exatas e Tecnológicas. Foram contemplados profissionais com trabalhos relacionados aos temas Nutrição e Alimentação Animal e Infraestrutura de Transportes, respectivamente, divididos nas categorias Vida e Obra, na qual são escolhidos profissionais pelo conjunto de seus trabalhos, e Juventude, voltada a jovens de até 35 anos que se destacam em seus campos de atuação. A cerimônia oficial de entrega do prêmio e medalha será realizada no dia 23 de novembro, no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo. Os vencedores receberão prêmios de R$ 150 mil e medalha de ouro (categoria Vida e Obra) e R$ 60 mil e medalha de prata (categoria Juventude).

Caixeta falou sobre a indicação do prêmio. “A importância pessoal desse prêmio coincide com o reconhecimento da qualidade do trabalho em uma área bastante específica, por um grupo de profissionais extremamente qualificados, conduzidos pela Fundação Bunge.”

Ele ressaltou ainda o fato de ser premiado em uma área relativamente recente no escopo da Esalq. “A escola, ao longo dos últimos tempos, tem diversificado suas áreas de atuação e, portanto, ser reconhecido na área de Infraestrutura de Transportes, que alguns chamam de Logística, a partir da Esalq, acredito que seja muito relevante porque é uma novidade. Não se esperaria que essa área pudesse existir e, além disso, fazermos um trabalho de qualidade dentro de uma instituição predominantemente agrícola. Isso faz a Esalq extrapolar o ambiente da agricultura. Abordamos a agricultura e vamos além dela.”

Premiados

Além do professor Caixeta, foram premiados, na área de Ciências Agrárias, tema Nutrição e Alimentação Animal, Sebastião de Campos Valadares Filho, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), na categoria Vida e Obra. Na categoria Juventude, o vencedor foi Felipe do Nascimento Vieira, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Na área de Ciências Exatas e Tecnológicas, Hugo Miguel Varela Repolho, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC/RJ), foi contemplado na categoria Juventude.

A indicação dos nomes é feita diretamente pelas instituições acadêmicas, científicas e culturais. O júri é formado por reitores de universidades e presidentes de entidades científicas e presidido pelo presidente do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo, o desembargador Paulo Dimas de Bellis Mascaretti.

O prêmio destaca a inovação incorporada nos projetos, que acabam beneficiando a sociedade brasileira e até outros países, que podem adotar iniciativas bem-sucedidas aqui e que servem para outras sociedades. Ele foi criado em 1955 pela Fundação Bunge para incentivar o conhecimento científico em diversas áreas, homenagear o poder transformador dos indivíduos na sociedade e estimular novos talentos. Também como atividade do prêmio, a Fundação Bunge, em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), promove seminários abertos ao público e à comunidade científica para discutir os temas de premiação do ano.

Desde sua criação, mais de 180 personalidades já foram premiadas, como Jorge Amado, Oscar Niemeyer, Ruth Rocha, Carlos Chagas Filho, Eurípedes Malavolta, Guto Indio da Costa, Adriana Lisboa, Fernando Abrucio, entre outros.

 

Com informações da Assessoria de Comunicação da Esalq e da Fundação Bunge

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados