Novo repositório traz estatísticas sobre segurança pública na cidade de São Paulo

Base de dados mostra os limites dos distritos policiais e a localização das delegacias de polícia do município de São Paulo, além de estatísticas gerais relacionadas a taxas de delitos e produtividade policial

 19/10/2021 - Publicado há 2 meses
Base de acesso livre contém informações sobre os limites dos distritos policiais e a localização das delegacias do município de São Paulo – Foto: Secretaria de Segurança Pública SP

.
Centro de Estudos da Metrópole (CEM), centro de pesquisa sediado na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (FFLCH), aprimorou e atualizou sua base de dados abertos, que atualmente conta com mais de 600 repositórios do tipo cartográfico e 82 não cartográfico, em 18 temas relacionados às transformações sociais, econômicas e políticas das metrópoles contemporâneas. A novidade está na inserção de uma base inédita sobre segurança pública. A base de dados pode ser acessada diretamente neste link.

A nova base traz os limites dos distritos policiais e a localização das delegacias de polícia do município de São Paulo. Inclui também todas as estatísticas gerais relacionadas a taxas de delitos e produtividade policial para os anos de 2000 a 2020.

“O material busca suprir uma lacuna representada pela falta de disponibilidade dessa base cartográfica. Diferentemente dos distritos municipais, que têm limites amplamente conhecidos e difundidos, os distritos policiais não têm suas fronteiras conhecidas por meio de bases com disponibilidade pública”, aponta Daniel Waldvogel Thomé da Silva, pesquisador da Equipe de Transferência do CEM.

Segundo ele, essa ausência deixa em aberto a percepção espacial dos dados estatísticos disponibilizados pela Secretaria de Segurança Pública do município de São Paulo, além de gerar dificuldade para agregar essas informações com outras referências estatísticas, sejam elas censitárias ou de outras fontes.

O banco também traz uma série histórica de 20 anos, apresentando as principais estatísticas por tipo de delito cometido nos diferentes distritos policiais da cidade.

Outros indicadores da cidade

As bases de dados ambientais do CEM também foram atualizadas. Nela constam dados como, por exemplo, as bases cartográficas digitais da rede hidrográfica da Região Metropolitana de São Paulo. Outra base disponível é a das Terras Indígenas do Brasil, territorializadas em 967 áreas com dados de etnia, nome da terra Indígena, fase do processo de regularização e tamanho. Para consultar todos os dados disponíveis, clique aqui.

Outra base atualizada foi a de escolas 2019, que contém registros geocodificados com informações cadastrais das escolas públicas estaduais, municipais e federais, e das escolas privadas localizadas nos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo e possui 12.503 registros e 438 variáveis. A partir deles, o CEM produziu infográficos sobre Indicadores de Educação na Capital paulista. A base pode ser consultada neste link.

Pesquisa avançada

Criado em 2000, o Centro de Estudos da Metrópole é um Centro de Pesquisa, Inovação e Difusão (Cepid) financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e também tem espaço de pesquisa no Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap). Reúne cientistas de várias instituições para realizar pesquisa avançada, difusão do conhecimento e transferência de tecnologia em Ciências Sociais, investigando temáticas relacionadas a desigualdades e à formulação de políticas públicas nas metrópoles contemporâneas. É constituído por um grupo multidisciplinar, que inclui pesquisadores demógrafos, cientistas políticos, sociólogos, geógrafos, economistas e antropólogos.

A equipe de Transferência e Difusão do CEM é a responsável pelo trabalho de atualização da base de dados, que está disponível gratuitamente para consulta, download e utilização no site do CEM.

Confira a nova base de segurança pública clicando aqui.

.

Com informações do portal do CEM e Agência Fapesp

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.