Na USP, alunos são desafiados a desenvolver um sistema operacional

Professor do ICMC desenvolveu uma forma inovadora de ensinar e conseguiu motivar o aprendizado a partir da resolução de problemas

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn368Print this pageEmail
O professor Monaco enfrentou o desafio de ensinar os complexos conceitos sobre sistemas operacionais, buscando não tornar a aula um fardo para os alunos – Foto: Nilton Junior/ArtyPhotos

.
Sem um sistema operacional, um computador é inútil. Você já deve ter ouvido essa frase mesmo que nunca tenha pensado em estudar computação. De fato, o sistema operacional gerencia todos os recursos do computador, ou seja, tanto os programas (software) quanto as partes que o compõem (hardware). Entre os sistemas operacionais mais comuns que existem estão o Microsoft Windows, o Mac OS X e o Linux.

Imagine então o quanto é fundamental para um estudante da área de computação aprender detalhadamente como funciona um sistema operacional e saber como desenvolvê-lo. Não é à toa que a disciplina Sistemas Operacionais é matéria obrigatória nos currículos dos cursos de computação.

Mas como ensinar os complexos conceitos relacionados a sistemas operacionais sem tornar a aula um fardo para os alunos? Essa questão levou o professor Francisco José Monaco a pesquisar novas formas de ensinar os alunos do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos. Resultado: além de aliar o conteúdo teórico a atividades práticas, o projeto conseguiu motivar os estudantes e obteve altos índices de aprovação.

A nova forma de ensinar vem sendo desenvolvida há dois anos e surgiu a partir de uma combinação de duas outras metodologias: o Aprendizado Baseado em Problemas (Problem Based Learning) e o Aprendizado em Espiral. Durante o primeiro semestre de 2017, o professor empregou a nova forma de ensinar para cerca de 80 alunos do curso de Ciências de Computação do ICMC.

Eles foram estimulados a desenvolver um novo sistema operacional em quatro etapas: primeiro, faziam uma investigação sobre o problema apresentado em aula; depois, formulavam possíveis soluções; a seguir, o professor fornecia algumas considerações teóricas; e, por último, os estudantes implementavam as soluções que julgavam mais adequadas para resolver o problema proposto.

 

Desenho em espiral ilustra como é a nova metodologia – Arte: Aulos Marino

 

Ao longo do semestre, os problemas apresentados tornaram-se, aos poucos, mais complexos. Se fosse possível desenhar o caminho do aprendizado percorrido, como resultado haveria uma espiral, já que o professor começava desafiando os estudantes com problemas que poderiam ser resolvidos a partir de conceitos introdutórios e, a seguir, ia propondo questões que demandavam um conhecimento mais aprofundado.

“Essa metodologia difere da que é tradicionalmente usada nessa disciplina. Normalmente, os alunos vão aprendendo os conceitos de uma forma sequencial e só podem desenvolver algo prático no final do semestre”, explica Monaco. “Com a nova metodologia, em vez de se aprofundar em cada conceito antes de prosseguir para o próximo, iniciamos apresentando aos alunos todos os conceitos e suas correlações de modo superficial e, a cada iteração da espiral, vamos aprofundando a compreensão desses conceitos e correlações. Assim, eles têm uma visão sistêmica da área e podem trabalham em projetos desde o início”, completa o professor.

Monaco destaca que a nova metodologia difere da que é tradicionalmente usada na disciplina – Foto: Reinaldo Mizutani

O próximo passo do projeto é criar um livro para explicar passo a passo a nova metodologia e disponibilizar o conhecimento de forma aberta e gratuita a todos os interessados. “A metodologia desenvolvida na pesquisa possibilitou que novos saberes fossem adquiridos por meio da mobilização de conhecimentos previamente adquiridos”, explica o aluno Alex Barboza no pôster que apresentou durante a 25ª edição do Simpósio Internacional de Iniciação Científica e Tecnológica da USP (SIICUSP).

Alex Barboza recebeu uma bolsa do Programa Unificado de Bolsas (PUB) da USP para contribuir com o projeto coordenado por Monaco. Durante a etapa internacional do SIICUSP, recebeu uma menção honrosa.

Além disso, o projeto contou com a colaboração de outros estudantes ao longo do percurso, como Aulos Marino, que faz graduação no ICMC, e Renê de Souza Pinto, que concluiu seu doutorado recentemente no instituto. “O mais gratificante nesse projeto foi ver os alunos aprendendo todos os conceitos relacionados a sistemas operacionais de forma conjunta e, aos poucos, a compreensão deles ia se aprofundando”, revela Monaco.

Segundo o professor, quando utilizava o modo tradicional (sequencial) em sala de aula, os estudantes se desmotivavam logo no início da disciplina, pois não entendiam por que estavam aprendendo aqueles conceitos já que não os colocavam em prática. “Com a nova metodologia, as perguntas dos alunos mudaram. Antes, muitos sequer conseguiam formular uma questão porque não tinham compreendido nada em sala de aula. Agora, eles já tentam colocar em prática o que aprenderam e, por isso, perguntam especificamente o motivo pelo qual o que tentaram fazer não deu certo”, finaliza o professor.

Denise Casatti / Assessoria de Comunicação do ICMC

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn368Print this pageEmail

Textos relacionados