Morre um dos patronos do ambientalismo no Brasil, Paulo Nogueira-Neto

Professor foi um dos fundadores do Departamento de Ecologia Geral do Instituto de Biociências da USP

 26/02/2019 - Publicado há 3 anos
Paulo Nogueira-Neto foi responsável pela criação de várias estações ecológicas – Foto: Elza Fiúza / ABr via Wikimedia Commons / CC BY 3.0 br

Considerado um dos pioneiros do ambientalismo no Brasil, Paulo Nogueira-Neto, Professor Emérito do Instituto de Biociências (IB) da USP, em São Paulo, morreu nesta segunda-feira (25), aos 96 anos.

Primeiro titular da Secretaria Especial do Meio Ambiente (Sema), entre 1974 e 1986, no âmbito do antigo Ministério do Interior, o professor também foi um dos fundadores do Departamento de Ecologia Geral do IB e atuou no Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama), no Conselho do Meio Ambiente (Cades) da Prefeitura de São Paulo e no Conselho de Administração da Companhia Ambiental do Estado de São Paulo (Cetesb).

Na USP, tornou-se bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais pela Faculdade de Direito, em 1945. Depois estudou História Natural na então Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras (FFCL), formando-se em 1959. Dedicou sua vida acadêmica ao estudo das abelhas indígenas sem ferrão (Meliponinae) – tema, inclusive, de sua tese de doutorado e de diversos livros publicados.

Nos anos em que esteve à frente da Sema, Nogueira-Neto criou e estabeleceu 3 milhões e 200 mil hectares de áreas protegidas, em 26 estações e reservas ecológicas. Entre 1983 e 1986, integrou a Comissão Brundtland das Nações Unidas, sobre meio ambiente e desenvolvimento, como um dos representantes da América Latina. Nesta comissão, a expressão “desenvolvimento sustentável” foi utilizada pela primeira vez.

Em 2011, publicou o livro Uma trajetória ambientalista – Diário de Paulo Nogueira-Neto, no qual trata tanto de fatos pessoais quanto de acontecimentos relacionados à sua atuação como cientista e homem público. “Paulo Nogueira-Neto traiu a sua cultura ao pensar que o meio ambiente poderia ser algo importante. Sua traição foi doar a sua vida e carreira para ajudar a organizar o Brasil em relação às questões ambientais e, ao fazer isso, acabar convencendo os outros de que valia a pena lutar para preservar os biomas do País, poluir menos as águas e utilizar energia renovável, entre outros objetivos”, comenta o professor Marcos Buckeridge, também do IB, em resenha do livro.

O ambientalista e professor deixa três filhos e seis netos.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.