Morre professor Flávio Vaz, pioneiro da hematologia neonatal no País

Docente da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) editou o primeiro livro brasileiro da área

Editorias: Universidade - URL Curta: jornal.usp.br/?p=349293
Professor Flávio Adolfo Costa Vaz é referência na área de Pediatria Neonatal no Brasil – Foto: FMUSP

.
Na última terça-feira, 25 de agosto, a diretoria da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP), em São Paulo, comunicou o falecimento do professor Flávio Adolfo Costa Vaz, responsável pela edição do primeiro livro brasileiro em Hematologia Neonatal e o primeiro livre-docente em Pediatria Neonatal do País.

Nascido em 31 de janeiro de 1938 em Natal, no Rio Grande do Norte, Vaz veio aos 16 anos para São Paulo. Prestou vestibular para Medicina na USP e passou em 39º lugar. Do 2º ao 5º ano, frequentava o pronto-socorro de Pediatria, onde contava com os ensinamentos dos então médicos assistentes Samuel Schvartsman, Gabriel Ruiz, Sergio Lebeis, dentre outros. Mas foi no 5º ano, por ocasião da primeira aula prática no berçário do Hospital das Clínicas (HC) da FMUSP com a professora Hedda Penna, que resolveu se dedicar à Neonatologia. Cursou residência médica em Pediatria e prestou concurso para assistente da Neonatologia. Conquistou a vaga, que era do pronto-socorro, complementando o horário do berçário.

Ainda durante a residência teve contato com o berçário de externos (para bebês nascidos fora do berçário da maternidade do HC, além de receber os casos de tétano neonatal), onde começou seu interesse pelos prematuros e os problemas hematológicos que acometiam crianças. Procurou, então, auxílio na Hematologia, onde obteve a contribuição dos médicos Vitorio Maspes e Fernando Teixeira Mendes. Com eles, iniciou pesquisa sobre Anemia da Prematuridade que, posteriormente, devido ao caráter inédito, foi material de sua tese de doutorado, em 1971.

.

Segundo da esquerda para a direita, professor Flávio Adolfo Costa Vaz participa de banca examinadora, em 2001 – Foto: Arquivo pessoal via Museu da Pessoa/CC BY-SA 4.0

.

Depois de ter concluído seu doutorado, prestou concurso para professor da Neonatologia, na pós-graduação da FMUSP. Criou duas disciplinas: a de Prematuridade, na pós-graduação do Departamento de Pediatria, e a de Hematologia Pediátrica, na pós-graduação do Departamento de Clínica Médica. Tornou-se livre-docente em 1975, sendo o primeiro do País em Pediatria Neonatal.

Em seguida, prestou concurso para professor adjunto e professor associado do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina da USP. Em 1998, realizou concurso público para professor titular de Pediatria do Departamento de Pediatria. Em sua carreira no Hospital das Clínicas, Flávio Vaz foi assistente no berçário anexo à maternidade, chefe do berçário de externos, chefe de plantão do pronto-socorro de Pediatria, diretor do serviço e diretor técnico da divisão.

Acumulou também o cargo de diretor da Unidade de Terapia Intensiva Pediátrica e Neonatal do Instituto da Criança e do Adolescente do HC. No Hospital Universitário da USP, em parceria com o professor Yassuhiko Okay, seu colega de turma, desenvolveu a Pediatria Clínica e a Pediatria Neonatal. No Hospital Estadual de Sapopemba, também com Okay, organizou a Pediatria Clínica e Neonatal, incluindo Emergência e UTI Pediátrica Neonatal.

Ele publicou mais de 200 artigos em revistas internacionais e nacionais, além de 20 livros. Foi chefe do Departamento de Pediatria por sete anos, presidente do conselho diretor do Instituto da Criança e do Adolescente, membro do conselho deliberativo e da comissão de ética do HC. O professor trabalhou também, entre 1970 e 1975, na Santa Casa de Misericórdia de São Paulo.

Como atividades fora do âmbito hospitalar, foi presidente do comitê de ética em pesquisa da Escola Nacional de Saúde Pública (CEPENSP), diretor científico da edição brasileira do Pediatrics, secretário do Departamento de Pediatria da APM e sócio-fundador e segundo Secretário da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Com informações da FMUSP

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.