Machucou o dente? Jogo e vídeo ensinam crianças a lidar com traumatismo dentário

Projeto da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto da USP traduz ciência em linguagem lúdica para orientar crianças, pais e professores a agirem em casos de traumas com os dentes

 10/08/2021 - Publicado há 4 meses
Por
Jogo ensina crianças sobre o que fazer em caso de trauma no dente – Foto: Arturii/Flickr-CC

.
A ideia de oferecer à população informações científicas sobre traumatismos dentários, com linguagem lúdica, levou à criação do projeto Machuquei meu dente! E agora? Para além das crianças, pais e cuidadores podem se beneficiar do projeto que até já ganhou versão para as escolas, o Professora, machuquei meu dente! E agora?.

O trabalho é da equipe da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (Forp) da USP e começou em 2020, com orientações apresentadas em folder e vídeo, e agora ganha um jogo educativo para crianças de quatro a dez anos (versões celular e tablets), além de um novo filme, relatando os tipos de traumatismo e suas principais características clínicas. Vale destacar que a narração no vídeo e nos testes de aceitação do jogo são da pequena Lia Koide Vêncio, de 7 anos, que contribuiu, com seu olhar infantil, para tornar mais acessíveis a sua faixa etária tanto o vídeo quanto o jogo, apontando dúvidas e dando ideias.

A primeira etapa do projeto (folder e vídeo explicativo) foi desenvolvida pela acadêmica Camila Roberta Garrefa Dagostini, com orientação da professora Alexandra Mussolino de Queiroz e colaboração da dentista Carolina Paes Torres Mantovani. Os novos vídeos e o jogo de celular são de responsabilidade da acadêmica Izadora Galdino da Silva, também orientada pela professora Alexandra, que recebeu colaboração da dentista Carolina e sua colega Camila. Em 2021 a equipe ganhou um novo participante, o professor Ricardo Vêncio, especialista em computação e matemática da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP e pai da colaboradora Lia.

O fato das crianças aprenderem brincando, ainda mais com jogos de computador, influenciou na criação do jogo educativo, conta Alexandra. “Achamos que utilizar jogos para educar e promover saúde seria algo bastante interessante”, principalmente durante a pandemia, quando “muitas crianças estão ainda em atividades remotas”. O acesso virtual ao conteúdo do jogo funciona como estímulo às crianças, pais e responsáveis, afirma a professora, que ainda considera as “diversas possibilidades” que a tecnologia oferece.

Telas do jogo Machuquei meu dente – Foto: Reprodução/Forp

.
E o jogo começou a ganhar forma com o treinamento que Izadora recebeu do professor Vêncio. Logo após, a aluna criou a lógica e a mecânica do game, que só precisa do aplicativo do Powerpoint instalado no eletrônico para rodar. Durante a partida, as crianças respondem perguntas sobre o que fazer ao perder um dente ou quebrá-lo e onde guardá-lo, por exemplo, com conteúdo ilustrado por tentativa e erro.

Participar deste projeto da Forp tem um significado maior para o professor Vêncio, além da motivação profissional. Vêncio conta que, quando seu filho, do espectro autista e ainda muito pequeno, sofreu traumatismo dentário durante “uma crise”, o Serviço Especializado no Atendimento a Traumatismos Dentários da Forp foi importante. “Eu queria retribuir de alguma forma e surgiu essa possibilidade de usar a computação para auxiliar a equipe da Forp, que por sua vez retorna à sociedade de uma forma maravilhosa”, afirma.

Segundo o professor, a criação do jogo também o motivou em seu projeto (já em andamento) para desenvolver métodos que permitam a qualquer pessoa produzir jogos educativos. “Comecei essa linha de pesquisa por conta do autismo do meu menino, quando notei que seria impossível, sem aumento de escala, atender a toda a demanda existente para tais jogos”, conta. Nesse sentido, o professor brinca que suas primeiras “cobaias” foram as dentistas da Forp.

Da USP para a comunidade

O projeto faz parte do Programa de Educação e Orientação sobre Traumatismos Dentários que começou em 2019 na Forp, apoiado pelo Programa Unificado de Bolsas de Estudos para Estudantes de Graduação (PUB), que integra a Política de Apoio à Permanência e Formação Estudantil da USP.

+ Mais

A criança quebrou ou perdeu um dente? Projeto da USP orienta sobre o que fazer

Como bolsista PUB, Izadora diz que é muito importante para ela participar desse projeto. “Além de entender melhor sobre os traumatismos dentários, tive a oportunidade de desenvolver diversas habilidades pessoais”, afirma.

Já para a dentista Carolina, o objetivo é mostrar a todos como proceder “quando acontece um traumatismo dentário em crianças”. E o fato preocupa já que, somente em 2019, a Forp realizou mais de 800 procedimentos em crianças e adolescentes vítimas de traumatismos dentários.

Além de problemas bucais, o traumatismo dentário pode afetar emocionalmente a criança, pois “muitas relatam sofrer bullying por estarem sem um dente, perdido por traumatismo, ou por ter um dente escuro, uma sequela que pode aparecer após alguns tipos de traumatismos dentários”, situações observadas frequentemente no Serviço de Atendimento a Traumatismos Dentários do Departamento de Clínica Infantil da Forp e que, se tratadas a tempo, podem ser evitadas, segundo os profissionais.

A professora Alexandra lembra também que o projeto “aproxima a USP da comunidade, levando o conhecimento adquirido para a população de forma simples e objetiva”. O projeto permite “educar em saúde de uma forma lúdica”, diz.

É possível fazer o download do jogo neste link e assistir ao vídeo demonstrativo aqui, no canal do YouTube Traumatismo Dentário, Machuquei o dente! E agora?.

Na mesma página, é possível assistir ao vídeo O que é Traumatismo Dentário? O que pode acontecer quando batemos um dente? com locução da pequena Lia. Confira abaixo:

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.