Projeto da USP ajuda a inserir jovens no mercado de Tecnologia da Informação

Paideia ensina informática e computação a jovens de 16 a 20 anos; as inscrições vão até 15 de março

O Paideia promove o treinamento de jovens em cidadania, microinformática e computação – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostram que os jovens são os mais afetados pelo desemprego. Na USP, um projeto quer contribuir para inserir esta parcela da população no mercado de trabalho. Programa Paideia ensina microinformática e programação a jovens de baixa renda, de 16 a 20 anos, buscando aumentar a empregabilidade na área de Tecnologia da Informação, conhecida pela alta demanda por profissionais.

A iniciativa é do Laboratório de Sustentabilidade (Lassu) da Escola Politécnica (Poli) da USP. A capacitação envolve também conhecimentos sobre relacionamento profissional, cidadania e sustentabilidade. As inscrições para a turma 2019 podem ser feitas até as 18 horas do dia 15 de março pelo site do projeto.

Além do curso gratuito, os participantes recebem auxílio-alimentação e transporte e a possibilidade de trabalhar nas empresas parceiras. As aulas deste ano serão das 14h30 às 17h30. 

Para participar, o candidato deve ser morador da Grande São Paulo e estar matriculado no segundo ou no terceiro ano do ensino médio (ou com o ensino médio concluído). O processo seletivo envolve três fases: uma prova escrita, uma entrevista com o candidato e, por último, uma entrevista com a família.

Experiência no projeto

Bruno Vinícius, morador da região de Campo Limpo, fez parte da primeira turma – Foto: Arquivo Pessoal

A primeira turma do Paideia começou em 2017 e foi uma espécie de experimentação: segundo a coordenadora geral do Lassu e do projeto, professora Tereza Cristina Melo de Brito Carvalho, seriam observadas a receptividade do mercado aos alunos e as principais dificuldades que os jovens enfrentariam.

Para Bruno Vinícius Roger, da primeira turma, elas foram mínimas e o aprendizado, por sua vez, grandioso. “No início, pensava que iríamos aprender somente informática básica. Porém, a realidade foi totalmente outra. Aprendi coisas que nem fazia ideia, como linguagem de programação, noções de rede, como criar sites, entre outras.” Morador da região de Campo Limpo, Bruno sempre gostou da área de tecnologia e, segundo ele, depois de passar pelo Paideia, o seu sonho de fazer Engenharia da Computação foi reforçado. “O curso serviu como um bônus. Ele me mostrou como seria a experiência se eu estivesse fazendo a faculdade. Foi incrível.”

Felipe dos Santos, à esquerda, e seu colega Victor Hugo, à direita. Hoje, Felipe trabalha com consultoria de criação de sites – Foto: Arquivo Pessoal

“Um curso humanizado, com professores que te auxiliam sempre.” Assim Felipe dos Santos fala sobre o Paideia. Também aluno da primeira turma, ele estudava na Escola Técnica Profª Dra. Doroti Quiomi Kanashiro Toyohara, em Pirituba, e lá, durante um evento, ele e seu colega Victor Hugo ouviram falar do projetoA dica foi dada por Ronaldo Stabile, diretor comercial da empresa Recicladora Urbana, parceira do curso e do espaço. Após o processo seletivo, Felipe e seu amigo começaram a frequentar as aulas no Lassu.

Na época, Felipe tinha desenvolvido um aplicativo sobre sustentabilidade e, depois que entrou no projeto, pôde conhecer formas de aprimorá-lo. “O curso ajuda muito a entender sobre empreendedorismo e cidadania. Ele deu estrutura para conhecer melhor a área de TI e empreender, que eu gosto demais. Hoje, até trabalho com consultoria de criação de sites”, conta o jovem da Vila Nova Cachoeirinha.       

O conteúdo das aulas do Paideia é dividido em três trilhas: sustentabilidade e inovação empresarial, computação e conectividade e, por fim, programação. O espaço utilizado tem o mesmo nome do projeto, foi inaugurado em novembro de 2016, e conta com sala de aula, um local para a “troca de ideias” e um acervo técnico com equipamentos de informática. O endereço é Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, Travessa 4, n° 380, 2° andar, Cidade Universitária, em São Paulo.

Empresas parceiras

O Paideia oferece maneiras de firmar parcerias para o desenvolvimento do curso, seja com empresas ou pessoas físicas. Há o financiamento de bolsas, que ganham o título de Mentor do Saber, Mestre do Saber e Doutor do Saber, dependendo da quantidade de bolsas.

Em contrapartida, as empresas podem inserir suas marcas em materiais de divulgação, camisetas e em uniformes, receber o atestado de parceira do Projeto Paideia, selecionar alguns dos melhores alunos, ter alguns de seus funcionários como monitores.

Mais informações sobre a criação de parcerias estão disponíveis na página do Paideia ou pelo telefone (11) 3091-1092.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 1,2K
  •  
  •  
  •  
  •