Transição agroalimentar e combate à fome são temas de evento internacional

Evento será realizado de forma remota nesta quarta, 12 de junho; discussão busca pensar na diversificação das paisagens agrícolas, das espécies animais criadas para consumo humano e do padrão de alimentação contemporâneo

 11/06/2024 - Publicado há 1 mês
Evento tem como objetivo influenciar na tomada de decisões relativas à urgência da transição para um sistema agroalimentar saudável e sustentável – Foto: NobbiP/Wikimedia Commons CC

.
A Cátedra Josué de Castro e o INCT Combate à Fome, ambos ligados à Faculdade de Saúde Pública (FSP) da USP, além do Instituto Fome Zero, o Instituto Comida do Amanhã, a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), o Centro Brasileiro de Análise e Planejamento – Cebrap Sustentabilidade e o Instituto de Defesa do Consumidor (Idec) são os organizadores de um debate internacional sobre os desafios impostos pela monotonia do sistema agroalimentar global e as estratégias potenciais para superá-los. O evento acontecerá no dia 12 de junho, às 9h30, de forma remota, com transmissão pelo canal do Youtube da Embrapa. As inscrições são gratuitas e limitadas e precisam ser feitas previamente na página do evento. Programação e atualização de painelistas também podem ser acompanhadas pelo site.

O webinar G20 e a monotonia dos sistemas agroalimentares: a necessidade de uma nova era de domesticação de culturas e diversificação de dietas tem como objetivo influenciar na tomada de decisões relativas à urgência da transição para um sistema agroalimentar saudável e sustentável, em um contexto marcado pela liderança brasileira no G20. A discussão busca pensar na diversificação das paisagens agrícolas, das espécies animais criadas para consumo humano e do padrão de alimentação contemporâneo.

Algumas características dos sistemas alimentares predominantes são a dependência de combustíveis fósseis, produção de ultraprocessados e modelos de criação animal concentracionários. Para os organizadores do evento isso resulta em poluição do meio ambiente, perda de biodiversidade, problemas sociais e na saúde, problemas que devem ser enfrentados com rigor pelo G20, a partir de possíveis soluções vindas de experiências bem-sucedidas no Sul Global.

“A alimentação contemporânea é cada vez mais dependente de alguns poucos produtos agrícolas e animais, com o crescente consumo de ultraprocessados. As consequências são drásticas para a saúde humana, para o bem-estar animal e para os serviços ecossistêmicos dos quais todos nós dependemos. A transformação ecológica do sistema agroalimentar global passa por sua diversificação e é fundamental que o G20 elabore propostas nesse sentido”, destaca o professor titular da Cátedra, Ricardo Abramovay.

Para Juliana Tângari, diretora do Comida do Amanhã, não existe uma solução única para monotonia dos sistemas alimentares, é preciso aliar diversas estratégias e ter coerência nessas estratégias, unindo ações governamentais, globais e locais. “Neste debate mostraremos que é uma grande oportunidade para a agenda do governo brasileiro na presidência do G20 trazer atenção e compromisso de enfrentar o desafio da atual monotonia dos sistemas agroalimentares”, destaca.

A diretora de Negócios da Embrapa, Ana Margarida de Castro Euler, lembra que a diversidade das agriculturas e espécies cultivadas, que se reflete na alimentação, contribui para a conservação da variabilidade genética e amplia o potencial de adaptação dos sistemas alimentares às mudanças do clima, com impactos na saúde e na segurança alimentar. “É preciso estimular a pesquisa e a conscientização para que a nossa rica biodiversidade esteja refletida no prato dos brasileiros”, diz.

G20 e a monotonia dos sistemas agroalimentares: a necessidade de uma nova era de domesticação de culturas e diversificação de dietas
Data: 12 de junho de 2024
Horário: às 9h30
Transmissão: canal do Youtube da Embrapa
Inscrições neste link

.

*Texto: Assessoria de Imprensa FSP-USP


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.