Fome de quê? Coletânea analisa significados dos alimentos na América Latina

Série de textos destaca produção, consumo e circulação alimentar na dimensão cultural entre diferentes povos latino-americanos

 27/10/2021 - Publicado há 1 mês
Livro digital explora riqueza como experiência e traço das particularidades alimentares em diferentes culturas latino-americanas – Arte sobre foto/FFLCH-USP

 

“(…) o cultural e o alimento possuem laços indissociáveis” é a ideia que sustenta a coletânea Culturas Alimentares na América Latina, lançada pelo Portal de Livros Abertos da USP. A publicação reúne esforços teóricos, metodológicos, analíticos e experimentais sobre a complexa cultura alimentar latino-americana. 

Organizada por pesquisadores da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP, está disponível gratuitamente para leitura ou download neste link, em formato de e-book. O leitor encontrará análises da importância simbólica dos alimentos, dos preparos e dos pratos típicos, passando por dimensões relativas à produção e à circulação, enquanto bem de consumo.

São pesquisadores de diferentes países e com olhares distintos sobre o papel social da alimentação, que avançam na construção de agendas de pesquisa e campos a serem explorados no âmbito das culturas alimentares. A coletânea possui 259 páginas, com textos em português ou espanhol, e está dividida em nove estudos.

A questão da soberania alimentar é o tema dos dois primeiros textos, que tratam do impacto da produção agroindustrial nas produções locais. Um deles, por exemplo, aborda as comunidades indígenas latino-americanas e a existência da relação entre os alimentos e a prevenção e cura de problemas de saúde. “No saber dos povos indígenas atuais, sobrevivem sementes de plantas medicinais, incorporadas há milênios às práticas de cuidado (saúde), dialeticamente relacionadas às práticas de alimentação”, explica o autor.

O texto coloca o debate sobre soberania considerando que a recuperação de sementes ancestrais constitui um cenário nas lutas de resistência dos povos indígenas diante da pressão cada vez mais agressiva do capital corporativo transnacional voltado para a expansão do agronegócio, baseado em organismos geneticamente modificados.
.

Horta das Corujas em São Paulo, exemplo de horticultura de guerrilha – Foto: Gustavo Nagib/Livro Culturas Alimentares na América Latina

.

Alimento de pobre e horticultura de guerrilha

Um dos casos analisados na obra é o da ora-pro-nóbis, apreciada como alimento e por suas propriedades curativas, estudada no contexto dos saberes culturais ligados a ela, na cidade de Diamantina, em Minas Gerais. Os autores tratam de sua representação enquanto “alimento de pobre”, desde seu histórico no qual os menos favorecidos colhiam  essa planta para saciar a fome até virar simbologia sobre poder aquisitivo.

“Na atualidade, a ora-pro-nóbis tem ganhado papel notório enquanto alimento pertencente às plantas alimentícias não convencionais, ganhando a mídia e também restaurantes gourmetizados, que vendem o alimento não em seu contexto histórico, mas sim o seu valor nutricional, pessoas que antes tinham vergonha de comê-lo por estar associado à pobreza, agora ele apresenta uma nova ressignificação”, explicam os autores.

Foto: Reprodução/FFLCH-USP

A obra também traz análises sobre formas de produção de alimentos nas cidades, como no caso da horticultura de guerrilha, método de ação ativista na qual se materializam experiências de agricultura urbana.

Um desses casos é o da Horta das Corujas, na Praça Dolores Ibárruri, no bairro da Vila Beatriz, território da subprefeitura de Pinheiros, zona oeste de São Paulo. Ela é a primeira horta comunitária da cidade de São Paulo com caráter ativista, que tem o objetivo de promover a educação ambiental e a ocupação do espaço público para fins de produção de alimentos orgânicos. O texto trata desse e outros casos pioneiros de ações que se tornaram referências para a pluralidade de práticas e formas da agricultura urbana.

Culturas Alimentares na América Latina
Organização: Júlio César Suzuki, Gilvan C. C. de Araújo e Fabio Molinari Bitelli
Disponível para leitura ou download: http://www.livrosabertos.sibi.usp.br/portaldelivrosUSP/catalog/view/674/600/2252-1
.

O Portal de Livros Abertos da USP, inaugurado em 2016, é mantido pela Agência USP de Gestão da Informação Acadêmica (Aguia), com a reunião e divulgação dos livros digitais acadêmicos e científicos publicados pelas unidades, institutos, centros, museus e órgãos centrais da Universidade, de autoria ou organização de professores e especialistas. Todas as obras estão em acesso aberto e texto completo sob licença Creative Commons 4.0.

.

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.