Serviço de consultoria de alunos da USP ajuda na gestão de ONGs

O Observatório Social do Brasil, de São Paulo, é um dos beneficiados pelo Projeto de Extensão de Serviços à Comunidade da FEA

Por - Editorias: Extensão - URL Curta: jornal.usp.br/?p=236520
  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  
Um dos grupos de consultoria do Pesc e dois membros do conselho do Observatório, Paulo Abrahão (segundo à esquerda) e Gioia Tumbiolo Tosi (à direita) – Foto: Arquivo Pessoal

Identificar problemas, planejar uma estratégia de ação e solucionar as demandas. Esse é o trabalho do Projeto de Extensão de Serviços à Comunidade (Pesc), da Faculdade de Administração, Economia e Contabilidade (FEA) da USP, em São Paulo, que presta consultoria a iniciativas do terceiro setor. Estudantes de todos os cursos da USP podem participar. Os selecionados formam grupos de até seis alunos e escolhem uma entidade para prestar o auxílio necessário.

Eles analisam as principais demandas da instituição e precisam ter proatividade para solucionar os problemas encontrados, recorrendo a especialistas de diferentes áreas.“Temos bastante autonomia para conduzir o serviço de consultoria”, afirma Ester Romano, estudante de Economia e bolsista do Pesc.

O projeto é a oportunidade de ter a experiência para atuar no mercado de trabalho e aplicar conhecimentos aprendidos em sala de aula. Durante a consultoria, os alunos desenvolvem senso de liderança, trabalho em grupo e resolução de problemas da área profissional. “É a chance de devolver o investimento destinado à Universidade na forma de serviços para a sociedade”, segundo o professor Carlos Alberto Pereira, coordenador do Pesc.

Para auxiliar os projetistas, cada grupo possui um tutor, geralmente, um aluno de pós-graduação que já participou do Pesc anteriormente, mas que não se envolve necessariamente na prática do trabalho. De acordo com o coordenador do Pesc, os professores da FEA estão disponíveis para auxiliar os estudantes de acordo com a sua área de especialidade.

O maior desafio, segundo Ester, é a gestão de pessoas e condução do trabalho em equipe, possibilitando que todos participem e a consultoria gere resultados. Quanto a isso, Rodrigo Sanchez Camarinha, aluno de Contabilidade da FEA e projetista do Pesc, explica que a consultoria poderia ser mais eficiente se a experiência de antigos integrantes do projeto fosse compartilhada, já que a ajuda do tutor não é o suficiente. “Sentimos falta dessa orientação. Saber o que já funcionou e métodos que foram utilizados”, relatam.

Monitoramento e transparência

O grupo de Ester e Rodrigo presta consultoria para a sede em São Paulo do Observatório Social do Brasil (OSB-SP), ONG apartidária e sem fins lucrativos responsável por fiscalizar as ações do Executivo e Legislativo em nível municipal, e comunicar aos órgãos determinadas falhas, garantindo a eficácia da gestão pública.

A ideia de um observatório surgiu em Maringá, no Paraná, em 2008, quando houve um escândalo de corrupção que levou os cidadãos a se unirem para monitorar o poder público. Hoje, existem observatórios em 130 municípios divididos em 17 Estados diferentes. Nos últimos quatro anos, foram economizados cerca de R$ 2 bilhões a partir do monitoramento do poder público pela rede de observatórios no Brasil.

A entidade trabalha apenas com voluntários e recebe recursos de doações. São feitos três principais trabalhos: cobrança de transparência do poder público a partir da disponibilização de informações aos cidadãos; fomento ao controle social, ou seja, deixar claro que é dever e direito do cidadão incentivar o controle do poder público, pois ele atua em prol da população; e monitoramento de licitações. A sede em São Paulo também analisa políticas públicas, o que pode influenciar na legalidade da licitação.

Ester Romano e Rodrigo Camarinha, alunos de graduação e projetistas do Pesc – Foto Marcos Santos / USP Imagens

“É possível comprar bolacha para merenda escolar. O poder público faz a licitação, compra bolacha abaixo do preço de mercado em uma quantidade razoável, mas ela não pode ser servida no cardápio da escola porque não cumpre a necessidade de uma alimentação saudável. Se olharmos apenas a licitação, não temos nenhuma irregularidade, mas, se olharmos a política envolvida na merenda escolar, o produto não atende aos requisitos”, explica Paulo de Oliveira Abrahão, presidente do Conselho Administrativo do OSB-SP.

Quando o observatório localiza alguma inconformidade nas licitações, existe uma metodologia a ser seguida. Primeiro, eles mandam um ofício para o gestor da lei explicando a atuação da ONG  e a possível irregularidade. Caso não tenham resposta, o ofício é encaminhado para a Câmara dos Vereadores, órgão legislativo responsável por monitorar o Executivo. Se não houver resposta com justificativa, entram em contato com o Ministério Público (MP).

“Paramos por aí, não vamos à mídia, esse não é nosso estilo de trabalho. Porém, normalmente, quando a situação chega ao MP, as consequências para o responsável sobre a licitação são graves”, comenta.

Como a consultoria da USP ajuda

O monitoramento e a transparência são essenciais para permitir que medidas coerentes sejam feitas pelo governo municipal, porém a carga de trabalho é grande. Segundo Abrahão, foram feitas 11 mil licitações no ano passado, número impossível de ser abrangido pelos voluntários do observatório. Além disso, a ONG tem problemas com a governança corporativa. Eles possuem um conselho administrativo mas não uma diretoria executiva, o que causa acúmulo de funções e problemas de hierarquia.

Para resolver suas principais demandas, o OSB  procurou o Pesc, buscando identificar a origem da dificuldade em captar e reter voluntários. Os estudantes da USP formularam um questionário para que as pessoas que trabalham na ONG apontassem erros e acertos da gestão do lugar. Agora, eles elaboraram um fluxograma dos processos realizados pelo Observatório, a fim de facilitar o entendimento sobre o trabalho para novos membros.

O Pesc também está buscando apoio de grupos de estudo e de especialistas em tecnologia da informação. A ideia é a possível elaboração de uma ferramenta eletrônica capaz de filtrar as licitações que apresentem possíveis irregularidades, diminuindo a carga e otimizando o trabalho do observatório.

A consultoria da USP no OSB começou em outubro de 2018. Os primeiros meses são destinados à  análise das principais demandas da ONG, agora, eles colocam em ação o planejamento realizado para até outubro deste ano. O Observatório Social do Brasil afirma que o feedback, até o momento, é bastante positivo. “É uma oportunidade de ter contato com conhecimento de ponta vindo da USP e ideias diferenciadas trazidas pelos alunos. É um serviço que não teríamos condições de bancar e estamos tendo acesso de forma gratuita”, conta Paulo de Oliveira Abrahão.

 

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  • 2
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados