Cientistas da USP em São Carlos explicam formas de controle do “Aedes aegypti”

Workshop gratuito é destinado a instituições e ao público em geral; inscrições até o dia 3 de agosto

Por - Editorias: Extensão - URL Curta: jornal.usp.br/?p=180496
  • 63
  •  
  •  
  •  
  •  
Controle do mosquito Aedes aegypti evita diversas doenças – Foto: Divulgação

.
De acordo com o Ministério da Saúde, de janeiro até o início de junho deste ano, mais de 73 mil pessoas foram diagnosticadas com dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Isso significa que, a cada 100 mil habitantes, 77,6 pessoas possuem a doença. Além das estatísticas alarmantes, o mosquito ainda transmite zika, chikungunya e a febre amarela. Por isso, o mosquito está em evidência tanto nos meios de comunicação como nas pesquisas de diversas áreas científicas, incluindo a computação.

E para discutir sobre o controle desse mosquito, pesquisadores do Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) e da Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) da USP, em São Carlos, promoverão o Workshop sobre biologia e controle do Aedes aegypti: pesquisa e prática. O evento será realizado no dia 10 de agosto, das 8 às 18 horas, no auditório Luiz Antonio Favaro, no ICMC.

O workshop é destinado para todas as pessoas e instituições que têm interesse no tema. Os interessados devem fazer as inscrições, gratuitamente, até o dia 3 de agosto.

Segundo Juliano Corbi, um dos organizadores do evento e professor da EESC, o principal objetivo é unir conhecimentos de diversas áreas numa forma de tentar entender as demandas do público que trabalha diretamente no combate ao mosquito e, ao mesmo tempo, validar as pesquisas acadêmicas relacionadas a esse assunto.

“Tem muitos pesquisadores na Universidade trabalhando e pesquisando sobre o Aedes e, ao mesmo tempo, muita gente em campo fazendo o controle desse mosquito, como é o caso da Vigilância Epidemiológica. Apesar disso, sentimos que a teoria e a prática não estão ‘conversando’. Dessa maneira, nosso objetivo é criar um evento em que seja possível dialogar com esses grupos a fim de unir conhecimentos”, afirma o professor Gustavo Batista, professor do ICMC e um dos organizadores do evento.

Ele explica que é muito importante ter pesquisas relacionadas ao controle do mosquito, para que se entenda como suprimir a população deles e agir antes de uma epidemia, a fim de evitar surtos como o do zika, em 2015.

O destaque da programação do evento é a palestra sobre a armadilha inteligente, que é capaz de identificar quantos e quais mosquitos estão em determinada área por meio do reconhecimento automático das espécies, sobretudo os mosquitos do gênero Aedes. Outro destaque é a palestra de Margareth Capurro, em que ela contará sua experiência com a Oxitec, empresa que desenvolve mosquitos geneticamente modificados, conhecidos como “Aedes do bem”.

 Talissa Fávero/Assessoria do ICMC

  • 63
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados