Ex-alunos da USP estão entre os cem mais influentes do agronegócio

Revista “Dinheiro Rural” publica perfil das lideranças do setor agro; onze deles são egressos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz

Por - Editorias: Universidade
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

A revista Dinheiro Rural divulga, em sua edição 141, de outubro de 2016, a lista com as cem personalidades mais influentes do agronegócio. Entre as lideranças do setor, estão egressos da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da USP.

Segundo a publicação, a listagem mostra quem são e o que pensam os líderes que comandam o setor mais pujante da economia brasileira. À frente de empresas, fazendas e centros de estudos, eles ajudaram o segmento rural a crescer e atingir um PIB de R$ 1,2 trilhão no ano passado.

Figuram entre as personalidades agricultores, pecuaristas, empresários, presidentes de empresas e de entidades, cientistas, professores e profissionais do setor, de segmentos como cooperativas, consultoria e marketing.

Em ordem alfabética, os esalquianos destacados na revista são:

Antonio Roque Dechen (engenheiro agrônomo formado em 1973) – Professor do Departamento de Ciência do Solo da Esalq, atualmente Dechen preside a fundação Agrisus e o Conselho Científico para a Agricultura Sustentável (CCAS), criado em 2011 para fortalecer a divulgação das inovações para o melhor desenvolvimento da agropecuária;

Carlos Alberto Paulino da Costa (engenheiro agrônomo formado em 1960) – Comanda a mineira Cooperativa Regional de Cafeicultores de Guaxupé (Cooxupé), a maior em produção e beneficiamento de café de todo o mundo;

Fernando Penteado Cardoso (engenheiro agrônomo formado em 1936) – Fundou a Manah Fertilizantes e hoje, aos 102 anos, dedica-se aos estudos de práticas agrícolas sustentáveis na fundação Agrisus;

Francisco Beduschi Neto (engenheiro agrônomo formato em 1996) – Eleito presidente do Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS) além de ser um dos coordenadores do Instituto Centro de Vida (ICV), ele passa a liderar a primeira mesa-redonda global sobre práticas sustentáveis na cadeia da carne bovina;

José Graziano da Silva (engenheiro agrônomo formado em 1972) – Foi reeleito como diretor geral da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO, na sigla em inglês), para o período que vai até 2019.

Luiz Carlos Corrêa Carvalho (engenheiro agrônomo formado em 1973) – É presidente da Abag há cinco anos. Comprometida há 25 anos com as discussões sobre o desenvolvimento sustável do campo, a Associação Brasileira do Agronegócio (Abag) reúne 74 associados, entre entidades, empresas e cooperativas.

Luiz Gustavo Nussio (engenheiro agrônomo formado em 1987) – É Professor Associado III do Departamento de Zootecnia da USP/Esalq e diretor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, gestão 2015-2019.

Maria Priscila Rondino Vansetti (engenheira agrônoma formada em 1980) – Além de ser a CEO da Dupont Brasil, a primeira mulher a ocupar o cargo mais alto nos 79 anos de história da companhia americana no País, é também a única mulher a alcançar o posto da presidência de uma empresa multinacional com inserção no agronegócio.

Mauricio Palma Nogueira (engenheiro agrônomo formado em 1997) – Coordenador de Pecuária da Agroconsult, consultoria de Florianópolis (SC), é o grande mentor do Rally da Pecuária, projeto que roda boa parte do País em busca de informações sobre as propriedades que criam gado.

Roberto Rodrigues (engenheiro agrônomo formado em 1965) – Ex-ministro da Agricultura, atualmente é o coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas e embaixador especial da FAO para o Cooperativismo, além de ser um ícone da defesa do agronegócio nacional.

Rodrigo Peixoto dos Santos (engenheiro agrônomo formado em 1995) – É presidente da Monsanto no Brasil, gigante que faturou globalmente US$ 15 bilhões no ano passado. Ele é considerado um dos executivos mais influentes do agronegócio por promover a disseminação tecnológica a serviço do desenvolvimento da agricultura.

Caio Albuquerque / Assessoria de Comunicação da Esalq

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados