Simpósio mostra o que Machado de Assis tem a dizer 180 anos depois

Evento na USP, nos dias 17, 18 e 19 de junho, celebra o aniversário do maior escritor brasileiro

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Arte sobre fotos/USP Imagens/BBM/Fac. Zumbi dos Palmares

 

.
Dia 21 de junho de 1839. Rio de Janeiro. Nasce um menino negro no Morro do Livramento, filho de Maria Leopoldina e Francisco José de Assis. Seu nome é Joaquim Maria Machado de Assis. Começa a escrever em periódicos já com 15 anos. Trabalha em gabinetes oficiais. Funda a Academia Brasileira de Letras. Apresenta obras que marcam o tempo e seu nome na literatura nacional e internacional, como Memórias Póstumas de Brás Cubas, A Cartomante, Crisálidas, Quincas Borba  e Dom Casmurro. Torna-se o mais célebre nome da nossa literatura.

Às vésperas do 180º aniversário de Machado de Assis, a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP realiza o Simpósio Machado de Assis, 180 anos  Trabalhos em Andamento, Autor em Construção, nos dias 17, 18 e 19 de junho, das 9 às 17 horasO encontro é gratuito, mas é preciso fazer inscrição prévia, por conta das vagas limitadas. O evento contará com 11 sessões de debates nos seus três dias.

João Oliveira Pace é mestrando do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP – Foto: Acervo pessoal

Os temas variam sobre questões como a figura do autor, nuances de obras específicas e sonoridade. Os palestrantes são professores, pós-doutorandos, doutorandos e mestrandos de três departamentos da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da USP.

Um deles será o mestrando do Departamento de Teoria Literária e Literatura Comparada João Augusto Oliveira Pace. “Existe ainda algo para se descobrir sobre Machado de Assis? Sim”, afirma. Sua discussão vai abordar O Tempo da Pobreza: Algumas Constantes do Conto Machadiano. “É uma análise de como Machado elaborava o tempo através dos personagens que se encontravam no contexto de pobreza do século 19.”

O interesse de Pace pelo autor e por essa temática nasceu na graduação, quando analisou o conto Pai e Mãe, do livro Relíquias de Casa Velha. Depois, levou a ideia de pesquisa para o mestrado na FFLCH. “Percebi que há um presente imediato e urgente, que torna-se vicioso. Ou seja, o tempo da pobreza dos personagens não é superado, ele diz respeito à necessidade de fazer algo naquele momento, mas no desfecho, nota que voltou ao início.”

No conto, o caçador de escravos Cândido Neves tem dificuldades para criar seu filho junto com sua esposa, cogitando abandoná-lo em um orfanato. Porém, Cândido apreende Arminda, que se encontrava grávida e a entrega ao seu “dono” para receber alguma recompensa e continuar com a sua criança.

“Machado sabia do desamparo social da época. Ao longo dos romances, ele vai se desprendendo da perspectiva social de quando nasceu. Vai descobrindo os aspectos que permeiam o poder e a sociedade e constrói suas críticas”, comenta o pesquisador.

O evento tira o pó da obviedade. Muitas vezes perguntamos o que podemos falar de Machado. Na verdade, é o que Machado ainda tem a dizer para nós

 

Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP possui edições raras de Machado de Assis – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Luciana Schoeps também participará do simpósio, na sessão sobre Som e Sentido na Escrita de Machado de Assis. Ela é pós-doutoranda do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFLCH. Em sua linha de pesquisa, analisa o romance Esaú e Jacob. “Observo no manuscrito rasuras que apontam para o fato de que a escrita do autor se construía em torno de uma possível preocupação com a sonoridade da frase, num movimento que não é despojado da busca de sentido.

Luciana Schoeps é pós-doutoranda do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFLCH – Foto: Arquivo Pessoal

A ideia surgiu quando Luciana observou algumas rasuras que demonstravam correções que mudam o ritmo da frase no romance. “Isso me levou  a pensar nas teorias do linguista francês Henri Meschonnic, que, ao falar da relação entre som e sentido, vai cunhar o termo oralidade, que tem a ver com um ritmo estruturante de todo discurso. E dentro da especificidade da literatura e da cultura brasileiras, não podemos deixar de lado a premente tensão entre o oral e o escrito.”

Ela observa também um tom irônico de Machado que foge à definição clássica de que ele quis dizer algo que significa o contrário. “Em Machado nunca é possível afirmar que o enunciado significa o contrário do que é dito, já que muitas possibilidades interpretativas são abertas pela indefinição enunciativa e já que não se tem certeza de quem é o alvo da ironia.”

Luciana fala sobre o sentido da escrita de Machado nos dias de hoje. “É uma literatura que traz mais dúvidas que certezas. Mas essa dúvida é necessária para que o leitor se desestabilize, saia de seu lugar, se coloque no lugar do outro, e para que ele desconfie, sempre, de respostas prontas. Isso é o que Machado tem a nos dizer e continua a nos dizer 180 anos depois. É isso que o torna ainda vivo e tão necessário hoje, quando o mundo nos traz respostas ágeis e simplistas às quais temos sempre que ter um olhar desconfiado e inquieto.”
.

Para mim, a obra do autor sempre foi isso: um constante requestionamento do mundo.

 

Professor Hélio Seixas Guimarães é um dos coordenadores do simpósio sobre Machado de Assis – Foto Marcos Santos USP Imagens

A organização do evento é dos professores Hélio de Seixas Guimarães e João Roberto Faria, ambos do Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da FFLCH,  e pesquisadores associados da BBM. Guimarães já organizou outros eventos relacionados ao escritor. Ano passado foram expostas edições raras de periódicos e de algumas obrasNa ocasião, Guimarães disse que Machado “é um escritor que, com a passagem do tempo, parece se tornar cada vez mais vivo”.

Ele ainda continua concordando com a ideia. “É um autor que nunca deixa de ser contemporâneo. Sempre foi lido de diversas maneiras e teve várias reações ao seu texto. Por exemplo, em sua época, poderia ser muito pouco ligado à realidade. Mas, 180 anos depois, nós o vemos como alguém muito crítico à realidade brasileira.”

Na sessão de que irá participar, Guimarães pretende destacar a construção do prestígio do autor a partir da relação com as editoras e com figuras com quem convivia. “São processos complexos que fazem parte dessa construção. O curioso é como essa autoria está se constituindo por meio da própria escrita. Machado coloca autores ficcionais em suas obras que questionam esse estabelecimento da figura do autor literário.”

Um exemplo é Memórias Póstumas de Brás Cubas. “O autor morto busca na morte o seu reconhecimento. Quer a glória póstuma. Nesse contexto ‘do que ainda virá’, podemos interpretar essa construção. Ele só será um autor literário na posterioridade?”
.

Edição de Memórias Póstumas de Brás Cubas – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Segundo Guimarães, a promoção do simpósio conta com uma variação de temas que corresponde à figura e aos trabalhos de Machado de Assis. “Temos um cardápio variado. São professores e alunos que pesquisam sobre o Machado de diferentes gerações. É uma reunião variada, mostrando as diferentes possibilidades de leitura do escritor.”

Imagem da campanha Machado de Assis Real – Foto: Reprodução/ Faculdade Zumbi dos Palmares

O título do evento sugere uma imagem do autor que sempre está sendo construída. Recentemente a Faculdade Zumbi do Palmares e a Agência Grey Brasil lançaram o projeto Machado de Assis Real. A clássica foto de perfil do escritor foi redefinida e mostrou como Machado realmente foi e é: negro. “O racismo o retratou como branco. É hora de reparar essa injustiça”, diz o texto da campanha. Para o coordenador do simpósio na USP, “esse momento em que ele é reivindicado como negro mostra como Machado vai se projetando ao longo do tempo”, reafirmando sua contemporaneidade.

Sendo ele contista, cronista, jornalista, poeta, romancista e teatrólogo, sempre se apresenta no tempo presente. Mesmo com uma passagem de anos grandiosa, Machado ainda fala com a sociedade. E ensina. “Ele diz tantas coisas. Fala da violência. Fala do poder. Nada em sua obra é explícito. Faz com que a gente calibre a nossa sensibilidade e, assim, percebemos sentidos ocultos.”

Machado faz a gente encontrar algo em seu texto e colocar dilemas na nossa própria realidade. Quando lemos alguma obra, saímos diferente

.

Primeiras edições de obras de Machado de Assis, do acervo da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM) da USP – Foto: Marcos Santos / USP Imagens

 

 

O Simpósio Machado de Assis, 180 anos – Trabalhos em Andamento, Autor em Construção será realizado nos dias 17, 18 e 19 de junho, na Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (Rua da Biblioteca, 21, Cidade Universitária, em São Paulo). Entrada grátis. Inscrições e mais informações no site do evento.
.
.
.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •