Por que há poucas mulheres em altos cargos na carreira científica?

Professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul Marcia Barbosa discute o tema no dia 22 de outubro, na USP, em Ribeirão Preto

Editorias: Eventos - URL Curta: jornal.usp.br/?p=278161

A presença de mulheres na ciência tem aumentado nas últimas décadas. Esse fato, no entanto, pouco tem impactado a participação feminina nos níveis mais altos das carreiras científicas. Para discutir as razões disso, o Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) promove, no dia 22 de outubro, às 15 horas, em seu Espaço de Eventos, a palestra Mulheres na Ciência: Uma Verdade Inconveniente.

As inscrições são gratuitas e podem ser feitas neste linkNo evento, a professora da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) Marcia Barbosa vai discutir por que o número de cientistas mulheres ainda é considerado pequeno e quais as razões da lentidão no aumento da presença delas nessa área. Segundo ela, à medida que as mulheres ocupam posições mais elevadas nas carreiras científicas, o porcentual de participação diminui, fato conhecido internacionalmente como “efeito tesoura”

Marcia Cristina Bernardes Barbosa tem graduação, mestrado e doutorado em Física pela UFRGS. Foi vencedora do Prêmio Internacional L’Oréal-Unesco Para Mulheres na Ciência (categoria Ciências Físicas) e do Prêmio Cláudia (categoria Ciências) por seus estudos sobre anomalias da água. Atualmente, além de docente da UFRGS, é diretora da Academia Brasileira de Ciências (ABC).

Mais informações: iearp@usp.br ou (16) 3315-0368.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.