Engenharia biomédica, especialidade que se consolida no auxílio ao combate da pandemia

Segundo o professor Chi-Nan Pai, a engenharia biomédica é a aplicação do conhecimento de todas as áreas de engenharia na área de biomedicina

 14/04/2021 - Publicado há 8 meses
De duas décadas para cá, outras engenharias começaram também a ter aplicações na área da engenharia biomédica – Foto: Pixabay

A pandemia do coronavírus acarretou uma valorização ainda maior das tecnologias na área da saúde, como alternativas para enfrentar a crise sanitária. Em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1ª Edição, o professor Chi-Nan Pai, do Departamento de Engenharia Mecatrônica e de Sistemas Mecânicos (PMR) da Escola Politécnica da USP, dá um panorama sobre a área da engenharia biomédica, que está à frente do desenvolvimento dessas tecnologias.

“É comum as pessoas encontrarem a engenharia biomédica como uma ramificação da engenharia elétrica. Mas de umas duas décadas para cá, as outras engenharias começaram também a ter aplicações na área da engenharia biomédica. Hoje, a engenharia biomédica é a aplicação do conhecimento de todas as áreas de engenharia na área de biomedicina”, explica o professor. Assim, as aplicações não se restringem somente à área da medicina, mas se estendem também para a fisioterapia, terapia ocupacional ou veterinária.

Multidisciplinaridade

Mesmo antes da pandemia, a área já vinha ganhando enorme reconhecimento. Professores de engenharia naval e engenharia civil da Escola Politécnica da USP trabalharam em uma proposta de pesquisa para desenvolver uma infraestrutura móvel de UTI. “Esse é o projeto que acompanho desde o ano passado e que poderia trazer muitos benefícios hoje, mas as pessoas não tiveram a mesma visão dos professores e não investiram no projeto”, diz.

Chi-Nan Pai menciona ainda uma disciplina chamada Modelos de Sistemas Biológicos que se atém, principalmente, a modelagem de sistemas biológicos e que poderia estudar o comportamento do coronavírus. “Se não sabemos como o vírus se comporta, fica difícil criar uma estratégia para combater a doença. Conseguindo criar um modelo, pode-se criar melhores estratégias para combatê-lo”, afirma. Além disso, os conhecimentos poderiam ser aplicados também na área da agricultura, para o combate de pragas, por exemplo.

Na Escola Politécnica da USP, há a possibilidade de cursar módulos optativos, incluindo um focado para engenharia biomédica. No final do curso e do módulo, o engenheiro consegue o registro com a habilitação para a área. Todas essas possibilidades podem ser desperdiçadas por conta da falta de investimento em pesquisa no País. “Se você não tem investimento do governo, se você não é estimulado, o mercado de trabalho fica comprometido. A engenharia biomédica está em ascensão no País e no exterior por causa das startups. Neste momento, é muito bom para o mercado brasileiro, para quem quer trabalhar com essa área, pensar nessa possibilidade”, finaliza.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica, a Faculdade de Medicina e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 10h45, 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.