Em Ribeirão, USP implanta conceito de cidade inteligente no campus

Iniciativas usam a tecnologia para melhorar a qualidade de vida e o bem-estar dos usuários

Por - Editorias: Universidade
Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail
Entrada do campus da USP em Ribeirão Preto – Foto: Divulgação

Usar a tecnologia nas áreas de inclusão social, segurança, infraestrutura, esporte, arte, ciência e ainda criar um ambiente propício para a inovação na gestão pública. Esse é o objetivo da Prefeitura do Campus da USP em Ribeirão Preto ao implantar o conceito de cidade inteligente, o SmartCampus.

A ideia veio das smarts cities, diz a vice-prefeita do campus e professora da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto (Fearp) da USP, Cláudia de Souza Passador. “Queremos que o campus forneça de alguma forma a integração entre as unidades, alunos e crie ambientes propícios para a inovação, inclusive do setor público, que é muito negligenciado. E que isso resulte em qualidade de vida e bem-estar aos usuários. Queremos o desenvolvimento dos fatores humanos, tecnológicos e institucionais integrados”, afirma.

Entre os principais focos para o desenvolvimento estão: a qualidade de vida, participação pública, acessibilidade, economia responsável e compartilhada, utilização consciente dos recursos e segurança. Segundo Cláudia, com esse projeto, além da tecnologia, a gestão busca “a colaboração e união das pessoas para promover um espaço mais inteligente, com pessoas conectadas e interdisciplinares. Esse é o profissional do futuro”.

Professora Cláudia de Souza Passador – Foto Arquivo pessoal

As ações do SmartCampus devem atender cerca de 20 mil pessoas entre alunos, funcionários e professores que circulam na USP em Ribeirão Preto, diariamente. Entre os serviços gerenciados pela Prefeitura do Campus estão o transporte coletivo, Guarda Universitária, Restaurante Universitário, moradia, biblioteca, biotério geral, Centro de Educação Física, Esportes e Recreação (Cefer) e atividades culturais e de inclusão de pessoas com deficiência e da terceira idade.

Num primeiro momento, são beneficiados o Programa de Atendimento às Emergências Médicas, a Comissão para Apurar Denúncias de Violência contra as Mulheres e Gênero (CAV) e o Centro de Orientação Psicológica (Copi).

Entre as ações em andamento está a parceria com o Instituto de Estudos Avançados da USP, polo Ribeirão Preto (IEA-RP), para promoção de pesquisas e atividades culturais. Com a entidade estudantil Nexos Gestão Pública da Fearp, a proposta é informatizar setores do campus como o Cefer e a Casa de Hóspedes.  Há ainda o Programa Vigilância Solidária para reduzir ocorrências e a parceria da Creche Carochinha com a Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) para atividades de extensão e pesquisa e com a própria Fearp para modernização organizacional.

A professora também cita projetos futuros como beneficiários do conceito, como a viabilização para transformar a Biblioteca Central em um living lab. Conforme ressalta o prefeito do campus, Américo Ceiki Sakamoto, “parte da biblioteca do campus poderá ser um espaço para promover inovação tecnológica em vários setores e a geração de projetos multidisciplinares.”

Cláudia destaca que os Programas de Apoio à Permanência e Formação Estudantil (PAPFE), que auxiliam os alunos com o financiamento de transporte, moradia, alimentação e bolsa-livro, também devem se beneficiar desse modelo de gestão. Em 2016, com aumento de 50% no número de beneficiários desses programas, foram atendidas mais de 3 mil pessoas só em Ribeirão Preto e, de acordo com a professora, deve aumentar em 2018. “A questão da inclusão social vem sendo uma bandeira da atual gestão da USP”, enfatiza.

A vice-prefeita lembra que, em 2016, iniciativas na gestão da Prefeitura do Campus levou a uma economia de cerca de R$ 6,5 milhões. Desses, 37% na aquisição de materiais e contratações de serviços comuns e 28% nas obras e serviços de engenharia. Além da modernização do Departamento Financeiro da Prefeitura, a vice-prefeita ressalta como um dos elementos importantes nesse processo a disponibilidade de todas as licitações da Prefeitura na Plataforma de Acompanhamento de Licitações Públicas (Palp), desenvolvida na Fearp com financiamento do Santander Universidade e apoio do CNPq. “Temos que pensar a gestão universitária como foco de projetos de extensão e pesquisa. Utilizar o conhecimento que geramos na Universidade na modernização da nossa estrutura.”

O projeto SmartCampus é da PUSP-RP e do Centro de Estudos em Gestão e Políticas Públicas Contemporâneas (GPublic) da Fearp, ambos da USP.

Cônsul-Geral da Alemanha Visita Campus

O SmartCampus foi apresentado pela professora Cláudia de Souza Passador ao cônsul-geral da Alemanha em São Paulo, Axel Zeidler, que visitou a USP em Ribeirão Preto no dia 23 de novembro. O cônsul estava acompanhado de Susanne Vollmer, representante alemã do consulado, e Rudolph Schallenmuller, vice-cônsul da Alemanha em Ribeirão Preto.

Para o professor Sakamoto, a reunião do cônsul-geral aproxima ainda mais o consulado da Alemanha e o campus de Ribeirão Preto. Na reunião, Zeidler agradeceu a possibilidade de apresentar ideias sobre a relação entre Brasil e Alemanha.

Com colaboração de Giovanna Grepi 

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterShare on LinkedIn0Print this pageEmail

Textos relacionados