Em Ribeirão Preto, projeto apoia e dá assistência à mulher com câncer

Em 29 anos, ação da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP atendeu mais de 1,5 mil mulheres

Por - Editorias: Universidade
Grupo de mulheres durante atividade do Rema, em Ribeirão Preto – Foto: Divulgação

No mês de maio, o Núcleo de Ensino Pesquisa e Assistência na Reabilitação de Mastectomizadas (Rema), da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, completa 29 anos de atividades. Para comemorar, haverá ações programadas para as integrantes do Rema, como uma atividade estruturada no dia 16 de maio, na qual cantam parabéns ao núcleo, um momento de beleza, com aula de maquiagem no dia 23 de maio, e piquenique no dia 30 de maio.

“O núcleo é aberto para todas as mulheres com diagnóstico de câncer de mama, acompanhadas por qualquer serviço de saúde, particular ou público”, informa Maria Antonieta Spinoso Prado, enfermeira que acompanha as mulheres no Rema há 24 anos.

As integrantes permanecem no grupo o tempo que julgarem necessário. “O que mais marca o serviço é a experiência de vida adquirida. Você pode ver que o trabalho dá resultado. Algumas chegam a falar que estavam mortas e aqui reviveram, o  Rema é vida”, enfatiza a enfermeira.

Com encontros realizados três vezes na semana, o projeto já atendeu mais de 1,5 mil mulheres. Dentre elas, está Julia Ioshico Matugi, com 11 anos de atividades no núcleo. Para Julia, o Rema é uma segunda família. “Aqui parece um milagre, porque a gente se reúne e tem muito o que conversar uma com a outra”, conta Julia. Nos encontros, são desenvolvidas atividades como, exercícios físicos, discussões sobre o câncer de mama e troca de experiências.

O Rema foi criado em 1989 para prestar assistência integral a mulheres com câncer de mama e seus familiares, além de elaborar programas de detecção precoce da doença. Segundo os coordenadores, as sequelas deixadas pelo processo de retirada da mama estão inteiramente ligadas à saúde psicológica e a autoestima feminina, por isso o apoio no Rema é multiprofissional.

Visando o bem-estar das mulheres, o projeto já promoveu diversas práticas. O Desfile Rosa, que teve início em 2014 e é realizado todos os anos. Com o desfile, os coordenadores têm a intenção de melhorar a autoestima das mulheres que estão em  tratamento. Outra ação foi o lançamento de dois livros, em 2011 e 2013, com receitas feitas pelas integrantes do grupo.

Além de prestar assistência, o Rema também forma recursos humanos, tanto na graduação como na pós-graduação e ainda promove o aperfeiçoamento de profissionais da área da saúde. Para atingir esse objetivo, o núcleo está organizando, para o próximo ano, o terceiro Simpósio de Câncer de Mama da EERP e a sétima jornada de câncer de mama da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da USP.

Para comemorar os 29 anos do Rema, haverá ações programadas para as integrantes, como uma atividade estruturada no dia 16 de maio, na qual cantam parabéns ao núcleo, um momento de beleza, com aula de maquiagem no dia 23 de maio, e piquenique no dia 30 de maio.

Joice Soares, de Ribeirão Preto

Textos relacionados