Disciplina de empreendedorismo e inovação tem inscrições abertas para alunos da USP

Aulas promovidas pela Escola Politécnica são on-line, abertas a estudantes de todos os cursos e oferecem treinamento prático e interação com empresas e investidores

 24/01/2022 - Publicado há 4 meses  Atualizado: 25/01/2022 as 18:33
Foto: Freepik CC

.
Para promover e desenvolver a cultura de empreendedorismo de startups entre os estudantes da USP, um grupo de professores e colaboradores da Escola Politécnica (Poli) da USP criou uma disciplina optativa de Empreendedorismo e Inovação, , para inspirar  e capacitar os universitários, oferecendo também interação com empresários influentes no mercado. Em sua terceira edição, a disciplina é voltada para alunos que se interessam em inovar e empreender, e propõe o desenvolvimento de uma proposta de startup, em grupo, com modelos de negócios baseados em tecnologia. Para o 1º semestre de 2022, podem se inscrever estudantes de graduação de toda a USP, uma vez que será oferecida de maneira on-line e síncrona, e não há pré-requisitos. São oferecidas até 160 vagas, e a matrícula pode ser realizada até 31 de janeiro de 2022, por meio do sistema Júpiter, com o código PMI3817.

Muito além de criar uma proposta de startup, o principal objetivo da disciplina é apresentar ao aluno uma maneira inovadora de abordar os desafios que se apresentam, seja no desenvolvimento de um modelo de negócio, ou no mercado de trabalho. Por meio de palestras com CEO’s de empresas e executivos de startups de sucesso,  oficinas de empreendedorismo e auxílio teórico e experimental na criação de um projeto de startup, o aluno tem contato com conceitos ligados à inovação e empreendedorismo, incluindo modelos de negócios populares entre jovens empreendedores, como o Blitzscaling, um conjunto de técnicas que expandem a escala de negócios rentáveis em ritmo acelerado, observado em empresas como o Facebook, Netflix e Airbnb.

Os conhecimentos agregados não se restringem à análise de modelos mercadológicos mais rentáveis e célebres, mas também fomentam as habilidades dos alunos de forma individual e em grupo, enquanto exploram e aprimoram ideias a fim de estruturar e dar vida a projetos mais próximos à sua realidade, “a resolver dores cotidianas”, com intuito de impactar positivamente a sociedade. “Incentivamos o aprendizado do empreendedorismo de maneira prática, e não apenas para criar novas empresas. Esses elementos adquiridos são importantes para potencializar carreiras dentro de grandes empresas, que inclusive vêm apoiando os projetos da disciplina”, destaca o professor Giorgio de Tomi, professor responsável da disciplina.

Multidisciplinaridade

O objetivo de expandir a participação de alunos de outras unidades, além da Poli, é tornar a vivência para os alunos mais próxima da multidisciplinaridade, conectando alunos de diversas áreas e cursos do conhecimento, comenta o professor Antonio Muscat. “Queremos trocar informações e os jeitos de trabalhar de cada unidade, utilizando a inteligência gerada pela integração para beneficiar e contribuir com os indivíduos, as empresas envolvidas e a sociedade. Essa é a ideia central do desenvolvimento de toda startup: contribuir”.

A cada semestre, os professores e colaboradores responsáveis pela disciplina, Giorgio de Tomi e Antonio Muscat, Rubens Approbato (CEO Poli Angels), Carlos Fenerich (Poli Angels) e José Renato Mannis (Poli Angels), viram aumentar o interesse dos  alunos em empreender, e a formação de novas startups. O primeiro oferecimento da optativa contou com a participação de 25 alunos, que criaram 5 propostas de startups. Já na segunda edição, 125 alunos participaram e foram criadas 25 propostas de startups.

A disciplina PMI3817 conta com a parceria da FDTE (Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia) e o apoio institucional de empresas como a Ambev, grupo Itaú, Accenture e IBM, que oferecem cursos, mentorias, contatos com especialistas, imersões empresariais e programas de estágio para os alunos integrantes das startups com as ideias mais inovadoras. Além disso, um prêmio em dinheiro é destinado ao melhor projeto de startup escolhido pela banca formada por professores, colaboradores, apoiadores e investidores.

A disciplina é oferecida com a colaboração da FDTE, do grupo de extensão PoliStart, entidade voltada a acelerar startups e aproximação empresarial, e da Poli Angels, associação de investidores fundada por ex-alunos da Escola Politécnica.

Acesse aqui a página da disciplina.

.

Texto: Assessoria de Comunicação da Poli USP

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.