Consórcio de universidades faz atendimento psicológico para idosos e profissionais de saúde

Iniciativa com participação da USP oferece apoio ao mesmo tempo em que analisa eficácia da estratégia de apoio socioemocional on-line

Atendimento on-line teve início em março deste ano e vai até abril de 2021 e faz parte de um projeto de pesquisa multicêntrico – Foto: Freepik

.

O cuidado com a saúde mental entrou em pauta durante a pandemia do novo coronavírus, pois com o isolamento social sentimentos de ansiedade, medo e depressão foram intensificados, principalmente para idosos e profissionais de saúde. É pensando nesse público que o projeto Coletivos Saúde Mental promove acompanhamento psicológico on-line e gratuito. Além de oferecer amparo aos participantes, a iniciativa é uma pesquisa que vai analisar as contribuições dos serviços de atendimento terapêutico remoto para esses dois grupos. Para participar, é necessário fazer a inscrição pelo formulário on-line, neste link.

O acompanhamento é voltado para pessoas com 60 anos ou mais. Também são atendidos profissionais de saúde, como médicos, enfermeiros, atendentes e técnicos de enfermagem, farmacêuticos, nutricionistas, fisioterapeutas, psicólogos, assistentes sociais, fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais e cuidadores de idosos, com idade entre 20 e 59 anos, das redes de serviço público e privado. O atendimento on-line teve início em março deste ano e vai até abril de 2021 e faz parte de um projeto de pesquisa multicêntrico, voltado para residentes no Rio Grande do Sul, no Distrito Federal e em São Paulo. 

O Coletivos é uma parceria entre pesquisadores da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP) da USP, da Universidade de Brasília (UnB) e da Universidade de Passo Fundo (UPF), no Rio Grande do Sul, com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do Sul (FAPERGS). Na USP o projeto conta com a coordenação da professora Sonia Regina Pasian, do Departamento de Psicologia da FFCLRP.

Sonia conta que a ideia de criar o coletivo surgiu a partir da preocupação com as dificuldades que o público-alvo do projeto vem sofrendo durante a pandemia e que têm sido relatadas na literatura científica. “Os idosos fazem queixas de solidão, ansiedade, tristeza, insônia, além de preocupações sociais e de saúde, e dificuldades em cumprir o isolamento, que, em muitos casos, envolvem problemas cognitivos que podem vir a facilitar o contágio.” A pesquisadora afirma que, por pertencerem ao grupo de risco, as pessoas idosas precisam “de um olhar mais atento aos cuidados, tanto em sua saúde psíquica quanto física”.   

Já em relação aos profissionais de saúde, a pesquisadora conta que não tem sido diferente. Além da pressão que enfrentam dentro dos hospitais e serviços de saúde, devido ao risco de contraírem ou de serem portadores do novo coronavírus, alguns profissionais atuantes na linha de frente da pandemia se isolaram até mesmo da família e amigos, medidas que trouxeram “fragilização ao equilíbrio psíquico e à saúde mental”. Além disso, Sonia também aponta o risco que a classe enfrenta em desenvolver estresse pós-traumático após a pandemia. Para amenizar o impacto negativo da solidão, os pesquisadores consideram que “os grupos de avaliação e intervenção em saúde mental on-line podem ser valiosa alternativa de escuta, a fim de amparar a sobrecarga emocional, além se ser ferramenta para identificar sinais de alerta para problemas de saúde que deverão ser devidamente cuidados.” 

Os atendimentos on-line são realizados em grupos formados por 10 a 15 participantes da mesma região, uma vez por semana, com duração aproximada de uma hora cada. Durante as sessões, os participantes vão contar com o apoio de psicólogos e profissionais de saúde, assim como de alunos da graduação e pós-graduação das universidades participantes do Coletivos Saúde Mental

Para participar dos grupos de atendimento basta realizar o cadastro aqui

Mais informações: srpasian@ffclrp.usp.br ou coletivosaudementalonline@gmail.com

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.