Novos espaços ampliam sustentabilidade do campus de Pirassununga

Local passa a contar com uma estação de tratamento de água, ciclovia e bicicletas compartilhadas

Por - Editorias: Comunidade USP
Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail
No Laboratório de Eficiência Energética e Simulação de Processos, está prevista a construção de uma usina solar, com a instalação de uma torre central no campus – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

.
Uma cerimônia realizada no anfiteatro do prédio central da Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos (FZEA), no dia 2 de maio, marcou uma série de inaugurações no campus USP Fernando Costa, localizado na cidade de Pirassununga.

Foram inaugurados a Estação de Tratamento de Água, o sistema de bicicletas compartilhadas, a ciclovia e as instalações do Laboratório de Eficiência Energética e Simulação de Processos da FZEA.

O prefeito do campus, Flávio Vieira Meirelles, deu início ao evento destacando o crescimento populacional da unidade nos últimos anos. Segundo ele, o campus foi criado em 1989 e, naquela época, abrigava cerca de 160 alunos. Atualmente, o público estimado de usuários é de cerca de 3.400 pessoas, entre estudantes, professores e funcionários técnicos e administrativos.

Meirelles apresentou detalhes sobre a nova Estação de Tratamento de Água, planejada para tratar cerca de 3,5 milhões de litros de água por dia, que são captados nas três nascentes existentes na área. “Com a implementação da estação e a edificação de outros conjuntos de caixas dágua, o campus passa a ter infraestrutura de qualidade que permitirá a continuação da expansão de seus serviços”, explicou.

A estação recebeu o nome de Professor Antonio Sanchez de Oliveira, em homenagem ao ex-docente da FZEA, falecido em 2008.

A nova Estação de Tratamento de Água está planejada para tratar cerca de 3,5 milhões de litros de água por dia – Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Mobilidade no campus

O maior campus da USP em extensão, com 2,4 mil hectares de área, também ganhou um novo sistema de bicicletas compartilhadas, paraciclos e uma ciclovia, com 1.800 metros de extensão. As 30 bicicletas disponíveis para a comunidade interna, instaladas ao lado da portaria do campus, foram adquiridas com verba da Superintendência de Gestão Ambiental (SGA) da Universidade.

A ciclovia foi construída com asfalto doado pela Concessionária Arteris/Intervias. Além disso, o espaço conta com 60 postes de iluminação com tecnologia LED, com captação de luz solar, que foram cedidos pela Prefeitura do Campus da Capital.

“Este é um projeto piloto, que deverá ser expandido para outros campi da Universidade. Em Pirassununga há uma característica muito especial, que é o fato de a ciclovia estar associada às trilhas ecológicas [que interligam as reservas localizadas no campus] e as pessoas podem se beneficiar disso de uma forma mais ampla. A utilização das bicicletas traz benefícios não apenas para a Universidade e para o meio ambiente. Hoje, a pauta do meio ambiente é muito ligada ao tema saúde e aos benefícios que a pessoa pode ter individualmente”, considerou a superintendente da SGA, Patrícia Faga Iglecias Lemos.

Foto: Marcos Santos/USP Imagens

Eficiência energética

Outra inauguração importante no campus foi a do Laboratório de Eficiência Energética e Simulação de Processos da FZEA.

O laboratório, que está em fase inicial de implantação, conta com equipamentos de alto desempenho que permitirão estudos sobre eficiência energética aplicada a processos agroindustriais; desenvolvimento e aplicação de tecnologias voltadas a mecanismos de desenvolvimento limpo; estudos de aproveitamento de fontes renováveis de energia, entre outros.

O objetivo principal do projeto, financiado pelo BNDES e coordenado pelo professor Celso Eduardo Lins de Oliveira, é o desenvolvimento de tecnologia nacional de geração hibridizada de energia elétrica e térmica em alta temperatura, por meio da radiação solar de concentração.

O diretor da FZEA, Paulo José do Amaral Sobral, explicou que está prevista a construção de uma usina solar, com a instalação de uma torre central no campus, que, em uma primeira fase,  gerará energia para abastecer o abatedouro-escola da faculdade.

“Foram inaugurados serviços essenciais para a vida no campus e com reflexos positivos na comunidade externa. A ciclovia poderá mudar os hábitos de mobilidade da comunidade acadêmica e do entorno. E a implantação de uma nova tecnologia representa um exemplo importante de transferência do conhecimento, uma das principais missões da Universidade. Temos de derrubar os muros para que a USP se integre cada vez mais com a sociedade”, ressaltou o reitor Marco Antonio Zago, ao final da cerimônia.

Da Assessoria de Imprensa

 

Compartilhar no FacebookCompartilhar no Google+Tweet about this on TwitterImprimir esta páginaEnviar por e-mail

Textos relacionados