Como envelhecer bem? Podcast fala de qualidade de vida e novas perspectivas sobre a velhice

Produção que tem parceria com o projeto USP 60+ conta até agora com cinco episódios disponíveis no Spotify e outras plataformas

 20/10/2021 - Publicado há 1 mês
Por
Podcast Geropapo fala sobre envelhecimento e qualidade de vida, preconceitos e outras discussões importantes para o idoso – Arte sobre foto Freepik e Nappy

.
A velhice pode se tornar alvo de preconceitos e estigmatização em algumas sociedades, mesmo sendo um processo natural vivido por todos aqueles que alcançam idades mais avançadas. Um novo olhar sobre o envelhecimento, discussões de questões importantes e informações sobre qualidade de vida são temas do podcast
Geropapo, nova produção da USP 60+ em parceria com a Coordenação de Políticas para Pessoa Idosa (CPPI) da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) da cidade de São Paulo e com a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô). 

O programa, que foi lançado no começo de outubro,  já conta com cinco episódios disponíveis em diversas plataformas. A USP 60+ participa da produção do podcast em todas as etapas, desde a seleção dos temas até o roteiro e organização dos convidados. 

“O nosso objetivo é que cada vez mais pessoas sejam conscientizadas da importância da longevidade e de vários aspectos necessários para se obter o envelhecimento saudável”, conta Egídio Lima Dórea, médico do Hospital Universitário (HU) da USP e coordenador do programa USP Aberta à Terceira Idade, que hoje se chama USP 60+. “Vamos abordar no podcast temas de interesse não somente do público 60+, mas de todo o universo que gravita ao seu redor, como familiares, cuidadores, estudiosos, estudantes e profissionais da área de saúde e qualquer pessoa que tenha interesse nesse tema, que obviamente é importante para todos nós.” 

Os assuntos variam de prevenção de quedas até o preconceito que vivem os idosos, questões financeiras, cuidados, sexualidade e instituições de longa permanência. O coordenador afirma que já existem episódios planejados para todo o ano de 2022, que são lançados semanalmente.

Confira os episódios e clique no player para ouvir:
.
#00 (Episódio Piloto) – Prevenção de quedas


Inspirado no Dia Mundial de Prevenção de Quedas (24 de junho). Participação de Cecilia Guedes, responsável por relacionamento com cliente e comunidade do Metrô e  Sandra Gomes, fundadora da Longevida Consultoria. YT I Spotify I Anchor


.
#01 – Qualidade ao longo do curso de vida
Participação dos especialistas dr. Samir Daher (Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual de S. Paulo) e Dr. Egídio Dórea (HU-USP), coordenador do USP 60+. YT I Spotify I Anchor


.
#02 – COVID-19 – Aspectos gerais sobre a doença e o envelhecimento humano, tratamentos, prevenção e vacinas
A convidada é a dra. Valéria Cassettari, médica infectologista e chefe da Comissão de Controle de Infecções do HU da USP. YT I Spotify I Anchor


.
#03 – COVID-19 – Encarando a morte – luto e resiliência de quem fica
O episódio discute a temática da morte em tempos de pandemia, e conta com participação da prof.ª dr.ª Beatriz Gutierrez, professora de Gerontologia da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da USP. YT I Spotify I Anchor


.
#04 – COVID-19 – A experiência de idosos que moram sozinhos – rede de suporte e gestão do autocuidado
O episódio convida a prof.ª dr.ª Yeda Duarte, graduada e doutora em enfermagem, docente da Escola de Enfermagem e da Faculdade de Saúde Pública da USP. YT I Spotify I Anchor


USP 60+

Integrante da Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária (PRCEU), o USP 60+ é um programa que existe desde 1994, e nasceu por iniciativa de Ecléa Bosi, Professora Emérita do Instituto de Psicologia (IP), falecida em 2017 , com o nome Universidade Aberta à Terceira Idade. O projeto se antecipou à promulgação do Estatuto do Idoso (2003), que atribuiu responsabilidade ao poder público de apoiar a criação de universidades abertas para as pessoas idosas. 

“O grande objetivo do programa USP 60+ é o de inserir essa população acima de 60 anos de uma forma mais ativa dentro da sociedade, resgatando sua autoestima, fomentando o seu conhecimento, despertando interesses e criando novos vínculos e relações sociais”, diz o coordenador Egídio Lima Dórea.

O médico Egídio Lima Dórea é coordenador do USP 60+ – Foto: arquivo pessoal

O programa acontece em todos os campi da USP em diversas cidades e quer possibilitar ao idoso o aprofundamento de conhecimentos em áreas de seu interesse, mobilizando a Universidade. Para isso, são oferecidas semestralmente milhares de vagas aos idosos em disciplinas regulares da graduação e em atividades complementares.

“É extremamente rica essa participação. Um dos nossos pilares é a intergeracionalidade, o que significa que o aluno USP 60+ vai estar dentro de uma sala de aula junto com o aluno da graduação, trocando experiências”, diz o médico.

Para participar de um curso do USP 60+, que são em sua maioria gratuitos, não é necessário ter qualquer formação prévia. Além das aulas das grades curriculares dos cursos de graduação, são oferecidas outras atividades didático-culturais e esportivas, com cerca de 8 mil a 10 mil vagas por ano.

Durante a pandemia houve uma migração total para os ambientes virtuais. “Nós conseguimos nos adaptar muito bem a essas atividades on-line, e nossos alunos 60+ também.” Lima Dórea diz que uma preocupação era de que o idoso “não se sentisse abandonado”. No isolamento, o USP 60+ produziu séries de vídeos, como o “Fique em Casa“, que aborda assuntos como espiritualidade, sexualidade e atividade física, cognição e quedas; e outros materiais, como o Guia Cultural USP 60+, que é lançado de uma forma mensal com dicas de atrações on-line do teatro, cinema, literatura, música e jogos.

Acompanhe as atividades do USP 60+:  Site | Whatsapp | YouTubeFacebook | Instagram | LinkTree | E-mail: usp60@usp.br

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.