Cartilha explica como doar corpo para ensino e pesquisa

O projeto tem o objetivo de informar sobre o processo de doação voluntária de corpos

Detalhe da capa da cartilha produzida por professora da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto – Imagem: EERP/USP

.
Atualmente, a maioria das instituições de ensino tem enfrentado problemas para obter peças humanas para estudo. Por isso, a professora de anatomia da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto (EERP) da USP, Angelita Maria Stabile, elaborou a cartilha Um presente à ciência: uma dádiva à humanidade – doe seu corpo, que explica o passo a passo do processo de doação de corpos para pesquisa.

Na cartilha, Angelita explica que, apesar dos avanços no uso de peças sintéticas e de realidade virtual, “o contato do futuro profissional de saúde com o cadáver é indispensável para a compreensão das estruturas e do funcionamento do corpo humano”. 

Historicamente, diz a professora, as universidades sempre dependeram de corpos não reclamados, ou seja, de indivíduos que vão a óbito e não possuem documentação que permita a identificação, nem têm informação sobre parentes ou endereço. “Atualmente, com as redes sociais, existe facilidade de se encontrar os familiares dessas pessoas.” 

O fator rede social somado à desinformação das pessoas sobre a possibilidade da doação de órgãos, mais o hábito de sepultamento do corpo e a falta de cultura de doação no Brasil, acabaram resultando numa diminuição significativa no número de cadáveres disponíveis para estudo. “A consequência é a possibilidade de muitos futuros profissionais da saúde concluírem inadequadamente uma etapa essencial para a formação profissional”, avalia a professora. 

Conteúdo

A cartilha traz informações e o link do formulário para a doação destinada à EERP. No formulário devem ser preenchidos os dados pessoais do doador e de uma testemunha, e reconhecer firma em cartório. Esse documento deve ser encaminhado, via correio, para: Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Avenida Bandeirantes, 3.900, CEP 14040-902 – Ribeirão Preto-SP.

+ Mais

Por que a doação de corpos é importante para a ciência?

O doador receberá o Cartão do(a) Doador(a), contendo os seus dados e da EERP. Angelita alerta que é essencial que a decisão seja comunicada à família para que possam entrar em contato em caso de óbito do doador. “Mesmo se todos os documentos forem enviados corretamente, se a família não contatar a instituição ou não autorizar a doação, o processo não será concretizado.”

Após a doação efetiva, que ocorre após a morte e os trâmites com os familiares, esse corpo será utilizado em pesquisas e em aulas. “A manipulação terá sempre o máximo de respeito com aquele corpo, que um dia foi um ser humano como os profissionais que agora o utilizam para o aprendizado. Além disso, hoje, pela presença maciça dos estudantes nas redes sociais, não é permitido fotos do corpo, nem de partes dele”, enfatiza Angelita.

Para a professora, a cartilha poderá impactar as pessoas de forma positiva sobre a doação de corpos. O que poderá incrementar o acervo de peças nas instituições de ensino, em especial na EERP.  O projeto contou com o apoio da Comissão de Cultura e Extensão da EERP e foi avaliado por profissionais da área do ensino da anatomia, por pessoas de diferentes unidades do campus da USP em Ribeirão Preto e por profissionais da área jurídica.

Para mais informações, entre em contato com a Escola de Enfermagem pelo telefone (16) 3315-4321 ou pelo e-mail doação corpo@eerp.usp.brVeja aqui outras unidades da USP que aceitam doação de corpos para pesquisa.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.