Capoeiristas buscam apoio para participar de ação social no Haiti

Professores do Centro de Práticas Esportivas da USP precisam de dinheiro para encontro de formação em capoeira

Por - Editorias: Universidade - URL Curta: jornal.usp.br/?p=176520
  • 100
  •  
  • 3
  •  
  •  
Foto: Giselle Cintra via Flickr – CC

.
De 16 a 28 de julho, o Haiti recebe o encontro internacional de formação em capoeira Brincando Construímos a Paz. Ele está sendo organizado pelo projeto Gingando pela Paz, que utiliza a capoeira como ação social para crianças em situação de vulnerabilidade.

O projeto atua desde 2008 no País e tem como coordenador o mestre Flávio Saudade. Desde então, mais de 1,5 mil crianças foram atendidas. Ativista social e mestre de capoeira, ele atua em projetos humanitários e sociais no Brasil, no Haiti e no Congo.

O encontro Brincando Construímos a Paz tem o objetivo de fortalecer as ações desenvolvidas no Haiti e de qualificar os educadores sociais que estão ministrando as aulas no dia a dia do projeto Gingando pela Paz.

Os professores do Centro de Práticas Esportivas da USP (Cepeusp), Vinicius Heine e mestre Gladson, lançaram uma campanha de financiamento coletivo para custear a participação deles no evento. A arrecadação prevista é de R$ 12 mil e o prazo vai até o dia 10 de julho. Para contribuir com a campanha, é só acessar este link.

“Esperamos levar a nossa contribuição, fortalecendo as ações que serão desenvolvidas no Haiti, com base na pedagogia e metodologia que desenvolvemos no Brasil e em outras partes do mundo. Essa metodologia tem como base o desenvolvimento humano de crianças e adolescentes por meio da capoeira e de seus fundamentos”, explicam em texto divulgado.

Na USP, eles oferecem programas regulares de capoeira com aulas, eventos, seminários e congressos, para valorizar e disseminar a prática e seus aspectos educacionais, culturais e sociais.

Os professores do Cepeusp coordenam o projeto Porta Aberta, no distrito do Capão Redondo, em São Paulo, onde, desde 2001,  crianças e adolescentes vivenciam a capoeira e a cultura brasileira como um caminho para a sua formação cidadã, tornando-se líderes de suas comunidades e disseminando valores humanos positivos e éticos.

Para saber mais sobre a campanha de financiamento, assista o vídeo abaixo:

 

  • 100
  •  
  • 3
  •  
  •  

Textos relacionados