Grupos se organizaram para combater opressão aos LGBTs na ditadura

Contestando ideias de direita e de esquerda, Grupo Somos surge com a proposta de defender o direito ao prazer e ao amor

 26/07/2018 - Publicado há 4 anos  Atualizado: 09/08/2018 as 17:54

Embora o regime militar fosse contrário às manifestações de homossexuais na imprensa e na política, a maioria dos grupos de esquerda também não aceitava a luta dessas minorias, influenciados pela ideologia comunista que considerava a homossexualidade um “vício da burguesia”. Contestando essas ideias de direita e de esquerda surge o Somos: Grupo de Afirmação Homossexual, com a proposta de iniciar um movimento em defesa dos direitos ao prazer e ao amor.

Para falar sobre o assunto convidamos Renan Quinalha, doutorado pela USP com a tese Contra a moral e os bons costumes: a política sexual da ditadura brasileira (1964-1988); João Silvério Trevisan e Marisa Fernandes, ex-membros do grupo Somos (1978-1983). Assista à mais um vídeo da série LGBTs na Ditadura:

[embedyt] https://www.youtube.com/watch?v=7oNqW3WWy6w[/embedyt]

 

https://jornal.usp.br/tv-usp/ser-mulher-e-homossexual-causava-dupla-discriminacao-entre-lgbts/


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.