Tomada de poder pelo Talibã no Afeganistão não significa fracasso dos EUA

De acordo com Marília Fiorillo, enquanto durou a ocupação norte-americana em terras afegãs, o complexo militar industrial embolsou cerca de US$ 1 trilhão

 20/08/2021 - Publicado há 3 meses

Em uma coluna anterior, há cerca de um mês e meio, a professora Marília Fiorillo previra que a fuga das tropas americanas e aliadas mergulharia o Afeganistão no caos. “Não prevíamos, porém, que a tomada de poder da milícia Talibã fosse tão rápida, questão de dias, não de meses”, observa. “Ficou patente o desespero da população nas imagens em que civis lotam o aeroporto, buscando inutilmente um lugar em um voo ou nas cenas de Cabul deserta de mulheres.” Pergunta Marília: “Como explicar o fracasso da maior potência militar do mundo, cujo contingente militar era infinitamente superior ao das milícias Talibãs e que ocupou o país sem projeto político por 20 anos”?

A explicação, diz ela, é simples: “Não se trata de um fracasso. Nesse período, o complexo militar industrial embolsou cerca de US$ 1 trilhão. Morreram 40 mil civis afegãos, 64 mil soldados afegãos e apenas meio por cento disso em baixas de norte-americanos”. Marília diz que se comparou o helicóptero que resgatava americanos no Afeganistão com a foto do último helicóptero a deixar o Vietnã, uma comparação esdrúxula, segundo ela. “Os Estados Unidos perderam a guerra para o povo vietnamita, e desta vez, ao contrário, abandonaram a população afegã, que teme e detesta o Talibã, à mais terrível das sortes.”

A colunista observa ainda que o Talibã, que ganha bilhões de dólares por ano com o comércio de ópio, voltou ainda mais brutal. “Suas vítimas não serão só as mulheres, mas as minorias étnicas.” Para Marília, a imagem ícone dessa catástrofe não é sangrenta: é o rosto contorcido de ódio de um soldado americano apontando a arma para um menino que tenta se agarrar em um avião. “O Império resolveu se safar de um probleminha que eles mesmos tornaram insolúvel.”


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.