“Tempestade perfeita” varre o Brasil com crises sucessivas

Segundo José Álvaro Moisés, o conceito tem a ver com as crises que se sucedem e se entrelaçam e que são extremamente negativas para a governabilidade

O termo “tempestade perfeita” é utilizado por analistas para identificar crises que se sucedem, que se entrelaçam e, embora tenham dimensões diferentes, produzem efeitos extremamente negativos sobre a governabilidade e sobre a forma como a sociedade enfrenta uma situação dramática como esta do coronavírus.

Outros fatores contribuem para a paralisia do governo, afetando sua governabilidade. Como exemplo, a prisão de Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro, que foi encontrado em uma casa em Atibaia, de uma pessoa que se apresenta como advogado da família Bolsonaro. Não há uma explicação clara sobre o que ele estava fazendo ali. A demissão do ministro da Educação, Abraham Weintraub, que criou vários problemas para o governo, e, de repente, viajou para fora do País sem dar maiores explicações, inclusive, dos processos em que está envolvido no Supremo Tribunal Federal, também contribuiu para essa situação. Esse conjunto de fatos sugere um quadro de ingovernabilidade do País e o mecanismo mais fácil para enfrentar essa situação é o impeachment. A Câmara dos Deputados tem, até o momento, 48 pedidos de impeachment para sua avaliação.

Segundo o professor José Álvaro Moisés, “a pergunta que cabe, do ponto de vista da democracia, é se o impeachment é o único mecanismo que temos para enfrentar crises como esta, que vêm ocorrendo no País, sucessivamente, durante décadas? Tivemos dois impeachments em menos de 30 anos”.


Qualidade da Democracia
A coluna A Qualidade da Democracia, com o professor José Álvaro Moisés, vai ao ar toda terça-feria às 8h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.