Técnica consegue reduzir a ansiedade na hora do pênalti

Psicólogo descreve como realizou uma pesquisa em que testou técnicas capazes de reduzir a ansiedade do atleta de futebol na cobrança de penalidades

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

jorusp

O pênalti é um momento tenso num jogo de futebol que causa, entre outros sentimentos, a ansiedade. Utilizando uma técnica associada à psicologia cognitivo-comportamental, o psicólogo Daniel Donadio de Mello realizou experimentos na Escola de Educação Física e Esporte (EEFE) da USP, em que testou técnicas que diminuem a ansiedade em atletas de futebol nessa hora decisiva.

Em sua participação no podcast “Os Novos Cientistas”, o psicólogo descreve como conseguiu resultados positivos na aplicação da técnica num grupo de 34 atletas amadores com idades entre 15 e 16 anos.

Foto: Andre Borges/ Agência Brasília

Durante seu estudo experimental foi testado um protocolo de biofeedback, numa tentativa de reduzir o estado de ansiedade. Feedback é o termo em inglês para retroalimentação, qualquer processo por meio do qual uma ação é controlada pelo conhecimento do efeito de suas respostas. No biofeedback, a retroalimentação é aplicada para sistemas biológicos. Assim, diferentes técnicas buscam auxiliar no controle voluntário de funções corporais e processos que, em geral, se dão de forma inconsciente.

Donadio explica como realizou parte de seus experimentos: “No caso deste estudo, antes de rodadas de cobranças de pênalti, foram introduzidos na rotina jogos de computador especialmente adaptados para dar retorno aos jogadores conforme conseguissem reduzir a ansiedade. Ligados a aparelhos que captam sinais fisiológicos, tais como respiração e batimentos cardíacos, os atletas recebiam uma resposta imediata do jogo, que podia ficar mais fácil ou mais difícil, conforme o estado de ansiedade”.

O podcast “Os Novos Cientistas” vai ao ar toda quinta-feira, às 8 horas, dentro do Jornal da USP no Ar, que é apresentado diariamente pela jornalista Roxane Ré (das 7h30 às 9h30) na Rádio USP FM (93,7 Mhz).

Ouça a íntegra do podcast.

 

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados