Taxação de super-ricos não acabaria com bilionários, apenas frearia o aumento da desigualdade

O professor Pedro Henrique Forquesato comenta a viabilidade de taxar em 2% a riqueza dos super-ricos e seus possíveis impactos

 17/05/2024 - Publicado há 2 meses
Por
A medida deve enfrentar resistência e pode até levantar suspeitas sobre se será levada em frente – Foto: Pixabay
Logo da Rádio USP

O ano de 2024 estabeleceu um novo recorde de bilionários no mundo: 2.781. Com um patrimônio acumulado de US$ 14,2 trilhões, eles detêm o equivalente a 6,5 vezes do PIB brasileiro (US$ 2,17 trilhões, em 2023). Só que esse grupo representa só 0,0000003% da população mundial. Ideias de taxá-los não são novidade, mas agora uma proposta tem ganhado força. Na última reunião do G20, Fernando Haddad propôs uma taxa de 2% sobre a fortuna de bilionários. Hoje eles pagam em média 0,5%, até menos do que uma pessoa comum.

O professor Pedro Henrique Forquesato, da Faculdade de Administração, Economia, Contabilidade e Atuária (FEA) da USP, comenta a medida, que deve enfrentar resistência e pode até levantar suspeitas sobre se será levada em frente, mas o professor afirma que a proposta é viável. Basta que os grandes países – Estados Unidos, China e o bloco da União Europeia, por exemplo – tenham interesse nela.

Pedro Henrique Forquesato – Foto: Linkedin

Sobre o cenário atual, ele afirma que “existe o que chamamos de ‘corrida para o fundo do poço’, que é a competição internacional, fazendo com que os países tenham um incentivo de diminuir sua taxa de imposto”. Isso seria a competição entre países para diminuir sua carga tributária e, com isso, atrair fortunas.

Esse é um argumento muito utilizado por quem é contra a taxação – se taxarem os ricos, eles sairão do País. Mas Forquesato afirma que não é bem assim: “Alguns ricos vão sair, mas não o suficiente para eliminar a arrecadação. Se você tiver uma taxação pelo menos mínima, igual no mundo inteiro, isso ameniza a concorrência”.

Como isso afeta o mundo

Segundo o ministro Haddad, os estimados US$ 250 bilhões anuais arrecadados com a taxação seriam destinados a ações de combate à fome e financiamento da transição para uma economia sustentável. O professor afirma, no entanto, que a medida, por si só, não traria mudanças estruturais.

Os estimados US$ 250 bilhões anuais arrecadados com a taxação seriam destinados a ações de combate à fome e financiamento da transição para uma economia sustentável Foto: Pixabay

 

O que deve afetar, como Forquesato diz, é a desigualdade: “Temos, nos últimos 40 anos, uma trajetória que não parece ter limite de crescimento da desigualdade de riqueza no mundo”. Ele equipara o cenário atual ao período pré-Primeira Guerra, época marcada pela discrepância de renda.

Para ele, a medida sequer diminuiria a quantidade de bilionários, apenas frearia um aumento ainda maior da concentração de riqueza. “Já tem simulações que mostram que [taxações do tipo] nem reduziriam a riqueza dos bilionários. Se fossem aplicadas 30 anos atrás, ela se manteria constante.”


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar no ar veiculado pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h, 16h40 e às 18h. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.