Seriam as máquinas dotadas de alma e da capacidade de pensar?

Para o engenheiro Blake Lemoine, a resposta é sim, razão pela qual foi afastado da empresa Google, fato que deu ao professor Glauco Arbix motivos para especular sobre a suposta inteligência das máquinas

 Publicado: 21/06/2022
Por

Nos filmes e nas narrativas de ficção científica, um tema bastante recorrente é o das máquinas que se comportam como seres humanos e até ameaçam a humanidade. Distopia ou não, o fato é que recentemente a Google afastou o engenheiro Blake Lemoine por este ter revelado a um jornal americano uma série de detalhes sobre uma ferramenta de Inteligência Artificial, de nome LaMDA, uma linguagem de modelo para diálogos e aplicações muito poderosa. Ocorre que Lemoine descreveu esse sistema como se fosse dotado de  percepção e habilidade para expressar pensamentos e sentimentos, tendo mesmo, segundo ele, uma consciência equivalente a uma criança de 7 ou 8 anos, com a diferença de que esse algoritmo não só sabia física como também transmitia emoções, a ponto de demonstrar medo de ser desligado pelos humanos. O engenheiro chegou mesmo a aventar a hipótese de esse algoritmo ser dotado de alma. Bastou isso para Lemoine ser afastado pela direção da Google.

De todo modo, esse debate não é novo, uma vez que décadas atrás os cientistas já se perguntavam se as máquinas teriam a capacidade de pensar. Sobre isso, diz o professor Glauco Arbix: “Acredito que a confusão é quase sempre provocada por diferentes sentidos que tem a palavra inteligência. A visão comum é que tudo aquilo que vem de computador é lógico, é coerente e aponta para soluções ótimas. Nada mais enganoso. Outro sentido é aquele que aponta para um futuro que não existe, as máquinas que ameaçam a nossa existência estão tão próximas e acessíveis a nós quanto as viagens entre estrelas, elas não fazem parte da nossa realidade”.

De acordo com o colunista, por mais elaborados e complexos que os bancos de dados possam ser, eles não têm vida. “As imagens que parecem vivas estão longe de terem uma nova alma, não têm, são línguas e imagens eletrônicas que dão vida a seres virtuais […] a realidade nua e crua, que desfaz a suposta mágica, é que são imitações da nossa consciência; sempre lembrando que a  flexibilidade humana é que permite a imitação das máquinas. A era que estamos não é pós-humana, estamos em uma dobra do tempo em que podemos construir artefatos que imitam a consciência.”


Observatório da Inovação
A coluna Observatório da Inovação, com o professor Glauco Arbix, vai ao ar toda segunda-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.