Recusa da família e mistificação da morte ainda são obstáculos para a doação de órgãos

O Hospital das Clínicas, que está promovendo campanha de conscientização sobre a importância da doação, quer mudar uma realidade que apresenta dados como os de que 67% das pessoas desejam doar, mas apenas 52% expressam a suas famílias

 Publicado: 23/09/2022
Não há no Brasil legislação que garanta que a doação de órgão aconteça apenas pela manifestação de desejo do paciente – Ilustração: Macrovector – freepik

No dia 27 deste mês é comemorado o Dia Nacional da Doação de Órgãos. Muito importante e responsável por salvar a vida de milhares de pessoas, a doação de órgãos ainda sofre com a desinformação, medo e negação de familiares ao desejo do parente morto. 

Débora Raquel B. Terrabuio – Foto: sbhepatologia

Segundo pesquisa realizada no ano passado pelo Instituto Brasileiro do Fígado (Ibrafig), 67% dos entrevistados querem doar seus órgãos, mas 52% não avisaram os parentes. Dentre os consultados, 26% tinham motivos indefinidos para não doar seus órgãos, 12% ficam com medo do corpo ficar deformado e 11% têm medo de assuntos relacionados à morte.

Não há no Brasil legislação que garanta que a doação de órgão aconteça apenas pela manifestação de desejo do paciente falecido, de forma que, mesmo que expressa, a decisão final ainda é da família. Assim, a conversa entre as partes é fundamental. “Hoje não adianta deixar nada por escrito, não adianta deixar documento, não adianta ter no RG.(…) Isso tem que ser conversado antes, eu acho que essa é uma das principais limitações: a família, muitas vezes, não sabe o desejo dessa pessoa em doar”, lembra a hepatologista coordenadora clínica de Transplante Hepático do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina, Débora Terrabuio.

“Quem lidera a lista de espera é justamente o rim. Hoje, na área em que eu trabalho, nós temos mais de 1.200 pacientes esperando um fígado”, diz a doutora. Também explica que não há mutilação do corpo e que a cirurgia para a retirada dos tecidos e órgãos é como qualquer outra, ou seja, não há prejuízos: “O corpo não é mutilado no processo de doação de órgãos, ele é feito por uma cirurgia que segue todas as regras de uma cirurgia convencional. Não há nenhum prejuízo nem para a pessoa que doa, nem para a família que autorizou a doação”.

O processo de doação 

“Qualquer pessoa de qualquer idade pode doar e a contraindicação da doação conforme uma comorbidade que a pessoa apresente fica a critério da equipe médica que vai escolher o órgão”, explica Débora. Para se doar órgãos ainda em vida aos parentes é necessário ser maior de idade e, quando morta, apenas após a morte encefálica ser decretada. Caso a doação seja feita para alguém de fora da família, será por meio de decisão judicial e deve haver, sem exceções, compatibilidade sanguínea e chance de sucesso. 

O País é, atualmente, o segundo que mais realiza transplantes e fica atrás apenas dos Estados Unidos. Porém, segundo dados de junho da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, 51.674 pessoas aguardam na fila de espera. A fila única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada Estado e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes, define quem ganha o órgão.

Diferentemente do que se espera do nome, a fila única não funciona por ordem, mas sim pela compatibilidade do doador com aquele que receberá o órgão. Uma série de exames e a própria disponibilidade do paciente são levados em conta, o que faz com que alguém que esteja esperando há muito tempo não realize o transplante.

Todo o processo tem que ser rápido. “A maioria dos órgãos tolera o tempo máximo fora do organismo, entre sair dos doadores e ser colocado no receptor, de 6 a 8 horas. É uma corrida contra o tempo entre captar o órgão e implantar esse órgão na pessoa que está aguardando na lista”, complementa. 

 Desmistificar a morte

A recusa da família e a mistificação da morte são aspectos que empacam a doação dos órgãos. O procedimento é cercado por dúvidas e muitos não sabem ao certo como ocorre e, ao se tratar de um ente falecido, isso se torna ainda mais difícil: “Para o transplante acontecer, o primeiro passo é a doação da família”, ressalta a hepatologista.

“A gente vê a vida continuar. É muito, muito alegre esse momento, a gente fica muito feliz de ver quando as coisas dão certo e como os pacientes melhoram de vida, como eles passam a ter uma vida normal e como eles são gratos às famílias que doaram”, finaliza a doutora. Após o transplante, uma vida é salva e órgãos que estão em boas condições não são desperdiçados.

A campanha de conscientização do público acerca da doação de órgãos conta com apoio dos transplantados e o Hospital das Clínicas convida a uma discussão para desmistificar a morte e a doação de órgãos.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.