Setor educacional atrai o interesse das startups

Tecnologia deve ser instrumento de apoio à educação, dizem especialistas

  • 34
  •  
  •  
  •  
  •  

A tecnologia pode ser uma grande aliada na aprendizagem e até mesmo no incentivo à leitura. As possibilidades que ela oferece nesses segmentos estão chamando a atenção de várias startups, tanto que, segundo a Associação Brasileira de Startups, o setor educacional é o que mais atrai o interesse dessas empresas. Para discutir esse assunto, o USP Analisa desta semana conversa com o profissional de tecnologia e mídia digital Jean Rafael Tomceac, a fundadora da publicadora de livros digitais StoryMax, Samira Almeida, e o ex-gestor de educação e difusão do Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias (Crid), Juan Azevedo.

o USP Analisa conversa com Jean Rafael Tomceac, Samira Almeida e Juan Azevedo – Foto: Vladimir Tasca

Para eles, a tecnologia deve ser tratada como um instrumento de apoio à educação, sem a crença de que ela possa resolver todos os problemas. Os educadores também precisam de formação constante e atuar como tutores junto aos estudantes. “A gente tem a sensação de que as crianças sabem usar os dispositivos, mas não é verdade. Elas estão imitando as outras pessoas que elas veem. São vocês (professores) que devem saber usar e ensinar a elas como escolher um bom conteúdo na internet, como evitar as fake news”, diz Samira.

“Não é só formação constante de professores. A gente sabe que você não consegue estudar tudo o que precisa. Você precisa estar preparado para a atualização (dos aplicativos e dispositivos). A única solução é: use todos os dias, tente se manter informado. A partir do momento em que você acessa todos os dias, isso passa a fazer parte da tua rotina. O letramento digital que a tecnologia propõe, você vai incorporar sem perceber”, afirma Jean Tomceac.

Os entrevistados falam ainda sobre o desenvolvimento do livro interativo digital O Mistério do Sr. Gratus, desenvolvido pelo Crid e pela StoryMax em parceria com o IEA-RP.  O USP Analisa é uma produção conjunta da Rádio USP Ribeirão Preto (107,9 MHz) e do Instituto de Estudos Avançados Polo Ribeirão Preto (IEA-RP) da USP. Ouça a entrevista na íntegra no link acima.

 

  • 34
  •  
  •  
  •  
  •  

Textos relacionados