“Manhã com Bach” refaz percurso de Bach, de Weimar a Leipzig

Obras dos três períodos mais produtivos da vida do compositor são exibidas no programa

Músicas representativas dos três períodos mais produtivos da vida profissional do compositor alemão Johann Sebastian Bach (1685-1750) – transcorridos na corte de Weimar, na corte de Köthen e na cidade de Leipzig – foram apresentadas na edição de Manhã com Bach que foi ao ar nos dias 14 e 15 de outubro de 2017 pela Rádio USP (93,7 MHz). Ouça nos links acima a íntegra do programa.

Na corte de Weimar

Em Weimar, na Turíngia, leste da Alemanha, Bach trabalhou como músico a serviço do príncipe Wilhelm Ernst durante nove anos e meio, entre 1708 e 1717. Ali nasceram seus primeiros filhos com sua primeira esposa, Maria Barbara Bach, entre eles dois que se tornariam grandes músicos, Wilhelm Friedemann Bach e Carl Philipp Emanuel Bach.

A primeira cantata secular de Bach, Was mir behagt, ist nur die muntre Jagd, “O que me agrada é só a alegre caça” (BWV 208), conhecida como Cantata da Caça, foi composta nos anos em que Bach passou em Weimar. São dessa época também algumas cantatas sacras, entre elas a belíssima Ich hatte viel Bekümmernis, “Eu tive muitas aflições” (BWV 21).

Mas a principal produção de Bach em Weimar foi sua obra para órgão. O príncipe Wilhelm Ernst era um luterano fervoroso e queria que Bach compusesse obras para serem executadas no órgão da capela barroca que ele mantinha em sua corte. O resultado foi que, ao longo dos quase dez anos em que atuou em Weimar, Bach compôs a maior e melhor obra para órgão da história da música.

Como exemplo dessa obra extraordinária para órgão composta por Bach em Weimar, o programa apresentou a Tocata, Adágio e Fuga em Dó Maior (BWV 564), na interpretação do organista holandês Ton Koopman, à frente de um órgão Garrels do século 18, instalado na Grote Kerk, uma igreja protestante de Maasluis, na Holanda.

Na corte de Köthen

Bach deixou a corte de Weimar em dezembro de 1717 e se transferiu para a corte de Köthen, na Saxônia, também no leste da Alemanha. Ele tinha sido contratado pelo príncipe Leopold von Anhalt-Köthen, seu patrão e amigo, para dirigir a excelente orquestra da corte. Ali ele viverá por cinco anos e meio, de 1717 até 1723.

A produção de Bach, na corte de Köthen, se volta então para a música instrumental, a fim de atender à orquestra do príncipe Leopold.

É assim que surgem os seis Concertos de Brandenburgo, as seis Suítes para Violoncelo, as Suítes Orquestrais, as Suítes Francesas e várias outras obras da mais alta qualidade.

Em Köthen Bach começa a ter preocupações didáticas e compõe o primeiro volume de Das Wohltemperierte Klavier, o “Teclado Bem Temperado”, para ensinar a arte do teclado. E também produz algumas cantatas, como Durchlauchtster Leopold, “Sua Alteza Leopold” (BWV 173a), composta para comemorar o aniversário do príncipe Leopold.

Também em Köthen, morre a sua esposa Maria Barbara. Um ano e meio depois, ele se casa em segundas núpcias com Ana Madaglena Wilcken, cantora na corte de Köthen, com quem viverá até o fim da vida e terá 13 filhos. Dois deles se tornarão também grandes músicos: Johann Christoph Friedrich Bach e Johann Christian Bach.

Para dar uma ideia da música que Bach compõe predominantemente na corte de Köthen – música instrumental –, Manhã com Bach exibiu a Sonata para Trio em Sol Maior (BWV 1039), datada de 1720. A interpretação foi de Nikolaus Harnoncourt, no violoncelo, Frans Brüggen e Leopold Stastny, na flauta, e Herbert Tachezi, no cravo.

Em Leipzig

Em Leipzig, Bach foi contratado para atuar como Kantor – regente e diretor musical – da Igreja luterana de Saint Thomas e como diretor de música da cidade.

Ele vai exercer essas funções por 27 anos, desde 1723 até sua morte, em 1750.

Ali Bach tem várias tarefas: ele precisa compor cantatas para serem apresentadas nos cultos dominicais, reger o tradicional coro de meninos da Igreja de Saint Thomas e ainda cuidar da música apresentada nas outras igrejas de Leipzig, entre elas a Nikolaikirche, a Igreja de São Nicolau.

É por isso que grande parte da sua produção, nessa época, se constitui de cantatas sacras. Houve anos em que Bach chegou à inacreditável marca de uma cantata composta por semana.

Entretanto, em Leipzig Bach não compôs apenas música religiosa. Na década de 1730, paralelamente ao trabalho nas igrejas, ele dirigiu o Collegium Musicum de Leipzig, uma associação de amantes da música que se reunia semanalmente para apreciar essa arte.

Para o Collegium Musicum, Bach compôs muita música instrumental e também algumas cantatas seculares, entre elas a cantata Schweigt stille, plaudert nicht, “Calai-vos quietos, não converseis” (BWV 211), conhecida como Cantata do Café.

Como uma obra representativa da atuação de Bach em Leipzig, o programa apresentou a cantata Ich liebe den Höchsten von ganzem Gemüte, “Eu amo o Altíssimo do todo o meu ser” (BWV 174), composta em 1729.

Essa cantata começa com uma sinfonia, que reproduz o primeiro movimento do Concerto de Brandenburgo Número 3 (BWV 1048). Como nota o musicólogo alemão Alfred Dürr, esse movimento teve a roupagem instrumental enriquecida com o acréscimo de duas trompas e um coro de oboés e cordas.

Ela foi apresentada em Manhã com Bach na interpretação do Tölzer Knabenchor, sob a direção de Gerhard Schmidt-Gaden, e do Concentus Musicus Wien, com a regência de Nikolaus Harnoncourt.

Manhã com Bach vai ao ar aos sábados, às 9 horas, com reapresentação no domingo, também às 9 horas, inclusive via internet, pela Rádio USP (93,7 MHz).

 

 

 

 

Textos relacionados