Gagueira atinge 5% da população mundial

O distúrbio tem tratamento individualizado e apenas 1% prevalece na vida adulta

 24/10/2017 - Publicado há 4 anos  Atualizado: 16/02/2018 as 14:31
Por

O Saúde sem Complicações desta semana recebe a fonoaudióloga Tatiane Cristina Gonçalves, do Hospital Estadual de Ribeirão Preto, do Complexo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP e da Maternidade Sinhá Junqueira, para falar sobre gagueira. Esse é um involuntário distúrbio da fala que atinge cerca de 5% das 7,6 bilhões de pessoas no mundo. Entretanto, apenas 1% continua com o problema na idade adulta. Ela ainda fala sobre tratamento e causa.

No programa, Tatiane afirma que esse problema na infância é igual para meninos e meninas, mas na fase adulta atinge 3,4 homens para cada mulher. Esse distúrbio pode se apresentar como repetição de sílaba, da palavra ou do som inicial; prolongamento do som; ou quando o som não sai. “Também podem aparecer outros sintomas como piscar os olhos, bater as mãos, bater os pés no chão, tudo ligado à questão emocional, por isso, pode ser necessário auxílio psicológico.”

Ela ainda explica que no diagnóstico é preciso quantificar o grau de gagueira. Na infância é possível falar em recuperação, mas na fase adulta o profissional realiza o tratamento com exercícios que melhorem o distúrbio. Além disso, o tratamento precisa de planejamento terapêutico e é individualizado. “Não existe uma pessoa que gagueja igual a outra.”

Entre os fatores de risco estão o histórico familiar; homens pela maior prevalência; dificuldade de comunicação; problemas emocionais; e também traumas que afetam a parte cerebral, como o AVC e traumatismo craniano.

Por: Giovanna Grepi


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.