Paulo Mendes da Rocha, o legado de um mestre na USP

A professora Raquel Rolnik ressalta a importância do arquiteto na Universidade de São Paulo, principalmente no Departamento de Projeto da FAU, onde teve grande atuação

 27/05/2021 - Publicado há 4 meses
Por

Paulo Mendes da Rocha foi um dos mais premiados arquitetos do País e nos deixou, vítima de um câncer, em 23 de maio. Professor da FAU-USP, a professora Raquel Rolnik ressalta seu legado dentro e fora do Brasil. Mendes da Rocha trouxe uma grande riqueza ao Departamento de Projeto da  Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP. Em 1961, se tornou professor e, em 1969, com o AI-5, foi afastado da FAU e teve seus direitos políticos cassados. O arquiteto voltou à USP em 1980 e foi professor titular até 1998, quando foi aposentado compulsoriamente ao completar 70 anos.

A colunista destaca a intervenção de Mendes da Rocha no departamento e diz que, juntamente com Vilanova Artigas, “partilhavam da mesma ideia, a qual tinha na arquitetura uma dimensão pública e um compromisso com a sociedade”.

Suas obras ocupam vários espaços públicos da cidade de São Paulo, como os projetos de reforma da Pinacoteca do Estado de São Paulo e do Museu da Língua Portuguesa. Além de obras como o Museu Brasileiro da Escultura (MuBE), o arco da Praça do Patriarca e o Sesc 24 de Maio.

Um elemento comum, que pode ser notado em todas as obras, é “a ideia de uma arquitetura que mostra o processo através da qual ela é feita, ou seja, os materiais se apresentam como eles estão, sem revestimentos ou polimento para disfarçar que aquilo foi fruto do trabalho humano da construção”. Ela destaca ainda a leveza do concreto na construção. “A estrutura é a própria arquitetura”, conclui Raquel Rolnik.


Cidade para Todos
A coluna Cidade para Todos, com a professora Raquel Rolnik, vai ao ar toda quinta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.