Parque Augusta é bem-vindo, mas São Paulo exige plano de expansão das áreas verdes

Para Nabil Bonduki, novo parque não deveria ter sido inaugurado de forma isolada, já que a capital necessita de muito mais espaços de lazer, especialmente, em bairros distantes do centro

 Publicado: 11/11/2021
Por

Na edição de Cotidiano na Metrópole desta semana, o arquiteto e urbanista Nabil Bonduki, professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP, comenta a inauguração do Parque Augusta, espaço de 23 mil m² localizado no centro da capital paulista, no quarteirão das ruas Augusta, Caio Prado e Marquês de Paranaguá.

Para o urbanista, “a chegada desse novo local de lazer é uma grande conquista para São Paulo”. Por muito tempo, o local pertenceu a uma construtora que pretendia levantar três torres no local. No entanto, a comunidade protestou para que fosse um espaço exclusivamente público, uma demanda desde os anos 1980.

Ainda assim, na opinião de Bonduki, o novo parque não deveria ter sido inaugurado de forma isolada, já que a capital necessita de muito mais espaços de lazer, especialmente, em bairros distantes do centro. “A prefeitura deveria fazer esse investimento no conjunto da cidade, de modo que pudesse garantir a equidade, ou seja, pudesse garantir não só o Parque Augusta, mas também outros parques que estão previstos, por exemplo, na Brasilândia, em Sapopemba, na Cidade Ademar, regiões muito carentes de áreas verdes”, reforça ele.

De acordo com o especialista, a partir de iniciativas como a do Parque Augusta, “esperamos que a prefeitura implemente um plano municipal de áreas verdes, que está previsto no Plano Diretor, para também investir em outras regiões da cidade, ampliando as áreas verdes e a qualidade de vida para toda a população”.


Cotidiano na Metrópole
A coluna Cotidiano na Metrópole, com o professor Nabil Bonduki, vai ao ar toda quinta-feira às 10h00, na Rádio  USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e  TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.