Padrão de interface facilita o uso de novos aplicativos

Luli Radfahrer explica que não é uma regra ou lei, é apenas uma prática comum que ser repete

Na coluna de hoje o professor Luli Radfahrer comenta o padrão de interface, um tipo de estrutura de interação que se torna comum num determinado ambiente a ponto de ser reconhecido como um padrão, dada sua repetição. Não é uma regra ou lei, mas apenas uma prática comum.

No Tinder, multiplataforma de localização de pessoas para serviços de relacionamentos on-line, para aceitar ou rejeitar uma pessoa basta deslizar a foto para a esquerda ou direita. “Esse é um padrão de interface, que não existia e surgiu com o Tinder”, cita Radfahrer.

O padrão de interface é importante para facilitar o uso de novos aplicativos. “Imagina se cada vez que surgir um novo aplicativo for preciso entendê-lo, primeiramente, memorizar um conjunto de cinco ou seis gestos, para cada um dos aplicativos que usar, e não existir nenhum padrão entre eles”, questiona o professor.

Ouça no player acima a íntegra da coluna Datacracia.


Datacracia
A coluna Datacracia, com o professor Luli Radfahrer, vai ao ar toda sexta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.