Ocupado por extremistas, Afeganistão conta com resistência da população

País, que já foi ocupado por soviéticos e por americanos e que não conhece o que é paz há 40 anos, enfrenta agora, com a chegada do Talibã ao poder, novo período de instabilidade

 06/08/2021 - Publicado há 4 meses  Atualizado: 19/08/2021 as 13:43

Entre países asiáticos, o Afeganistão se destaca pela alternância de poder. Primeiro, os soviéticos invadiram o país em 1979, depois o grupo fundamentalista islâmico Talibã, em 1996, após um período de guerra civil, para desembocar na ocupação norte-americana. Agora, o poder sobre  o território afegão é novamente de extremistas.

A retomada do Talibã veio logo após a retirada de tropas norte-americanas, que se deu no dia 6 de julho. O grupo agora toma cidades e capitais de províncias. Em sua coluna Conflito e Diálogo, a professora Marília Fiorillo aponta que o cenário futuro deve ser de retorno ao poder por parte do Talibã, o que vem provocando fuga massiva de afegãos. “Há 40 anos, o Afeganistão não sabe o que é paz ou estabilidade”, afirma Marília.

A chegada do Talibã ao poder na década de 1990, a princípio, foi acompanhada de alguma esperança de que o caos pudesse ser eliminado,  “principalmente as mulheres, para as quais a posterior obrigação do uso da burca foi muito bem recebida, porque era uma blindagem contra os estupros superfrequentes”, explica Marília. O otimismo, porém, logo cessou com os anos de opressão e arbitrariedades que se seguiram sob o domínio do Talibã.

Soma-se a isso a ocupação americana em solo afegão, que apenas fragilizou expectativas democráticas no país. A resistência, hoje, vem da população.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.