O livro ficcional “Fahrenheit 451” é assunto de Marisa Midori

Com autoria de Ray Bradbury, o principal romance que trata da queima de livros encerra a série deste mês

Em sua coluna Bibliomania, a professora Marisa Midori fala sobre a ficção de Ray Bradbury que foi publicada em 1953. Fahrenheit 451 obteve tanto sucesso que logo ganhou uma adaptação cinematográfica, sob a direção de François Truffaut, lançada em 1966. Segundo Marisa, as duas produções merecem ser visitadas ou revisitadas nos dias atuais. A professora ainda informa que uma segunda edição apareceu em 1981, com um posfácio em que o autor conta um aspecto curioso sobre as condições de escrita e, mesmo, sobre suas expectativas quanto ao trabalho.

O título, Fahrenheit 451, é a temperatura que deve ser alcançada para a queima dos livros, o equivalente a 232,78 graus Celsius. “Numa primeira leitura, podemos dizer que o livro retrata uma sociedade autoritária, havendo, inclusive, componentes com os quais nos identificamos, os mesmos que conduziram pensadores a refletir sobre a alienação, o individualismo e a violência promovidos pelo fascismo – estamos no pós-Segunda Guerra Mundial”, comenta. E ressalta: “Não podemos nos esquecer de que a queima pública de livros, usada como espetáculo para as massas, foi um recurso de Goebbels, durante o regime nazista”.


Bibliomania
A coluna Bibliomania, com a professora Marisa Midori, vai ao ar toda sexta-feira às 9h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.