Mudanças na política habitacional não atenderão famílias de menor renda

Raquel Rolnik fala que o novo programa prevê o financiamento de imóveis via FGTS, portanto, com retorno por meio de juros, o que exclui famílias mais carentes

Governo federal anuncia mudanças no programa de habitação, interrompendo definitivamente o Minha Casa Minha Vida: a faixa 1, que é a de mais baixa renda e que usava recursos da União, não será mais retomada. O novo programa, que está sendo anunciado, deve ser basicamente de financiamento por meio do FGTS e não deve alcançar as famílias de menor renda.

A aposta do governo é a securitização, que nada mais é do que a pessoa poder vender no mercado financeiro a expectativa de recebimento de prestações futuras como forma de alavancar mais recursos para o financiamento. O imóvel serve de garantia para aumentar o crédito precarizando a moradia no País.

Ouça no player acima a íntegra da coluna Cidade para Todos.


Cidade para Todos
A coluna Cidade para Todos, com a professora Raquel Rolnik, vai ao ar toda quinta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.