Movimento adequado do tronco aumenta precisão do chute a gol por atletas com deficiência visual

Resultados foram obtidos através de análise cinemática tridimensional e, segundo o professor Santiago, contribuem para melhorar a performance desses atletas na cobrança de penalidade máxima

 03/09/2021 - Publicado há 2 meses

O Brasil mostra participação expressiva nos Jogos Paralímpicos de Tóquio e na modalidade futebol deve se manter como destaque. Por isso, nesta edição da coluna Ciência e Esporte, o professor Paulo Roberto Santiago apresenta importante contribuição científica de um estudo publicado no ano passado na revista Sports Biomechanics, mostrando a importância da rotação do tronco do atleta no chute parado, como nas cobranças de penalidades.

Segundo Santiago, trata-se de um trabalho que analisou o chute de jogadores cegos em 3D e demonstrou o aumento da velocidade do chute – quando a posição é estática, já que o jogador não realiza a corrida pela falta de informação visual – com a rotação do tronco para trás na fase do balanço da perna para trás. A rotação do tronco, afirma, estende adequadamente a articulação do quadril. Outro fator observado foi a estabilidade da parte inferior do tronco no plano frontal durante a fase de balanço da perna para a frente.

Essas informações, acredita Santiago, podem ajudar quem trabalha com esses atletas a “não só olharem para o movimento da perna”, mas também para o do tronco.

Para quem gosta do tema, a coluna Ciência e Esporte está aberta a sugestões para as próximas edições, que podem ser feitas pelo e-mail ou através de comentários no canal da coluna no YouTube. A única restrição é que sejam temas relacionados à ciência e ao esporte.


Ciência e Esporte
A coluna Ciência e Esporte, com o professor Paulo Santiago, vai ao ar toda sexta-feira às 10h00, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.