Pequena variação genética impede que bactéria se manifeste no Brasil

Pesquisadores que descobriram diferença apontam o risco de o País “importar” outras variações que causam doença grave

jorusp

A grande maioria das bactérias do tipo Escherichia coli (E. coli) é comum ao trato digestivo humano. No entanto, há um grupo de E. coli que compõe a família “Stec”. Elas produzem uma toxina chamada Shiga, que pode causar complicações graves ao organismo. Curiosamente, as bactérias dessa família encontradas no Brasil não desenvolvem os problemas esperados. Um estudo feito pela USP, junto ao Instituto Butantan e à Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), descobriu o porquê dessa diferença. Para entender esse caso, o Jornal da USP no Ar conversou com o professor Carlos Alberto Moreira Filho, da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e coordenador do projeto.

A contaminação por essas bactérias é dada principalmente através do consumo de carne bovina contaminada. Em países como Austrália, Japão e Argentina, as E. coli dessa família específica, ao infectarem o corpo humano, podem levar ao desenvolvimento da Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU) – que causa insuficiência renal e pode levar à morte. A doença acomete principalmente crianças com menos de 5 anos.

O professor explicou que o estudo se iniciou através de uma comparação entre uma amostra de bactéria australiana e uma correspondente brasileira. “Descobrimos que as brasileiras não possuem um grupo muito pequeno de 15 genes, mas que se expressam nas bactérias dos outros países”. Ele aponta que as E. coli estrangeiras que possuem essa pequena diferença conseguem “tapear as células do trato digestivo”. De certa forma, elas passam despercebidas e se mantêm ali, produzindo a toxina Shiga – que leva ao comprometimento da função dos rins.

“Nós até temos casos de Síndrome Hemolítico-Urêmica no Brasil, mas em número bem menor do que em outros países e causados por outras bactérias.” Em abril, o Ministério da Saúde registrou em uma creche do Espírito Santo a primeira morte brasileira por surto de E. coli. O professor reforça a necessidade de se manter vigilância constante, principalmente pelo fato de países fronteiriços, como a Argentina, apresentarem casos mais frequentes. “Vamos monitorar com o auxílio dos estudos que já foram realizados e permitiram maior entendimento sobre essas bactérias”, conclui.

Ouça a entrevista completa no player acima.


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP, Faculdade de Medicina e Instituto de Estudos Avançados. Busca aprofundar temas da atualidade de maior repercussão, além de apresentar pesquisas, grupos de estudos e especialistas da Universidade de São Paulo.
No ar de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 9h30, com apresentação de Roxane Ré.
Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo no celular.

.

Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.