Paternidade tardia pode aumentar chances de gerar filhos com problemas genéticos

Nos últimos anos, pesquisadores têm publicado artigos mostrando que a paternidade tardia pode aumentar os riscos de um filho com esquizofrenia, autismo, transtorno bipolar, déficit de atenção e hiperatividade       

 Publicado: 19/09/2022
Por
Não existem tratamentos preventivos que possam melhorar a qualidade de uma  reprodução assistida – Foto: PxHere

Um novo casamento, o desejo de ter filhos mais tarde ou até mesmo de não tê-los, vários motivos podem levar um homem a postergar a paternidade. Ao tomar essa decisão, há dificuldades ou riscos quando o desejo de ser pai se apresenta. O médico Rui Ferriani, professor da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, também chefe do setor de Reprodução Humana do Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto, destaca que “nessa faixa etária é muito comum os homens já terem realizado a vasectomia. Por esse motivo, são necessárias técnicas alternativas para auxiliar na fertilização da maioria deles. Para quando há o desejo de engravidar uma mulher mais jovem, é necessário fazer a punção do testículo, para obtenção dos espermatozoides, já que a cirurgia de recanalização não é muito frequente e não tem tão bons resultados”.

Rui Ferriani – Foto: Imagens USP

Quanto maior a idade da mulher ou do homem, maior o risco de o bebê apresentar problemas genéticos. O especialista destaca que “uma mulher, por exemplo, aos 42 anos, tem uma em cada 80 gestações com risco de um filho com síndrome de Down. No homem, essa relação não é tão marcante, mas hoje já se observa duas coisas: uma, piores resultados na fertilização in vitro com homens com idade mais avançada após os 40/45 anos; segundo, algumas doenças, que não são cromossômicas iguais às da mãe, mas algumas delas, principalmente com distúrbios bipolares e autismo, costumam ser mais frequentes em homens com idade mais avançada. Esse é um fato relativamente novo que tem gerado uma maior atenção e aconselhamento”.                                            

O doutor Ferriani destaca que hoje o limite para doação de sêmen, que antes era de 50 anos, passou para 45. Não existem tratamentos preventivos que possam melhorar a qualidade dessa reprodução assistida. Não há muito como detectar geneticamente essas doenças. Por esse motivo, quanto antes a gestação ocorrer, melhor. Alguns cuidados, como evitar a obesidade, ter uma alimentação saudável, não fumar e fazer atividade física ajuda bastante. Ser pai em uma fase mais avançada da vida traz muitas reflexões que podem ser sanadas por um profissional especializado.         

Anomalias cromossômicas                    

Mary Elly Negrão – Foto: Reprodução

Mary Elly Negrão, psicóloga responsável pela avaliação e seguimento dos pacientes em tratamento de reprodução humana nos ambulatórios de Esterilidade e Fertilidade do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP de Ribeirão Preto, explica que, “de uma forma geral, as mulheres têm noção das anomalias cromossômicas associadas ao envelhecimento, no entanto, raramente eu atendo um homem que tem algum conhecimento sobre os efeitos da idade na quantidade e qualidade dos espermatozoides”. Nos últimos anos, alguns pesquisadores têm publicado artigos mostrando que a paternidade tardia pode aumentar os riscos de um filho com esquizofrenia, autismo, transtorno bipolar,  déficit de atenção e hiperatividade.       

Para garantir que o paciente ou casal não tenha dúvidas sobre sua decisão, Mary Elly realiza uma bateria de perguntas para incentivar reflexões que possam ajudar em sua resolução, independentemente da idade. “A decisão de ter um filho costuma estar pautada não somente no desejo de querer ter um filho, mas também nas circunstâncias do momento em que estão vivendo, como condições de saúde física e mental, de moradia, renda financeira, a disponibilidade de tempo para exercer a função de educar e prover afeto, a rede de apoio presente nos desafios envolvidos nessa criação do filho, como trocar fraldas, brincar, sentar para ajudar nas tarefas escolares.” A psicóloga destaca que, “ainda que sejam realizadas várias reflexões, não se pode afirmar como será de fato a vivência na prática dessa paternidade tardia, nem como será a saúde desse filho e o relacionamento entre eles ao longo da vida”.  


Jornal da USP no Ar 
Jornal da USP no Ar é uma parceria da Rádio USP com a Escola Politécnica e o Instituto de Estudos Avançados. No ar, pela Rede USP de Rádio, de segunda a sexta-feira: 1ª edição das 7h30 às 9h, com apresentação de Roxane Ré, e demais edições às 14h, 15h e às 16h45. Em Ribeirão Preto, a edição regional vai ao ar das 12 às 12h30, com apresentação de Mel Vieira e Ferraz Junior. Você pode sintonizar a Rádio USP em São Paulo FM 93.7, em Ribeirão Preto FM 107.9, pela internet em www.jornal.usp.br ou pelo aplicativo do Jornal da USP no celular. 

 

 


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.