Garota de três anos gargalha em meio ao horror da guerra

A colunista se refere a um vídeo no qual um pai faz sua filha, aterrorizada pelas explosões de bombas, acreditar que aquilo tudo não passa de fogos de artifício

Correu o mundo um vídeo em que um pai faz sua filha de três anos gargalhar ao ouvir o som da explosão de uma bomba na Síria. O pai da garota, um refugiado sírio que se encontra numa das regiões mais castigadas pelos ataques do regime de Bashar al-Assad, vale-se de um estratagema para convencer a menina de que se trata apenas da explosão de fogos de artifício. Com isso, a menina se põe a gargalhar com a espontaneidade que só as crianças têm. “A cena, além de nos trazer esperança e contentamento num período em que se acumulam crises e crimes, é um ótimo exemplo de uma palavra que tem sido usada a torto e errado e logo, logo vai se esvaziar e se tornar mais um clichê: a palavra é empatia”, diz Marília Fiorillo em sua coluna para a Rádio USP. A palavra advém de um conceito do iluminismo escocês e significa a capacidade de alegrar-se com a vitória alheia e de brindar com a sorte de alguém, enfim, de rir junto.

Diz Marília que empatia não é querer colocar-se no lugar do outro, “mas sim tornar-se, por um instante, o próprio outro. É por isso que na base da empatia está a imaginação. É graças a esta faculdade da alma, a imaginação, que a gente ri ou chora com certas músicas, poesias ou filmes. Sem imaginação, a solidariedade virou um dogma que se evapora rápido”. O pai sírio fez exatamente isso, usou a imaginação com sua pequena filha de três anos – no momento em que o fez, derrotou o mundo real, de mortes e explosões, para criar um mundo imaginário em que só há fogos de artifício.

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da coluna.


Conflito e Diálogo
A coluna Conflito e Diálogo, com a professora Marília Fiorillo, vai ao ar toda sexta-feira às 10h50, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.