Frustração digital é efeito colateral do coronavírus

De acordo com o colunista, estamos vivendo uma inflação de lives, festas e reuniões pelos mais diversos aplicativos

Neste momento em que praticamente todos estão sendo obrigados a digitalizar ainda mais seus hábitos, práticas e relacionamentos, a frustração digital já pode ser considerada como um efeito colateral do coronavírus. Mas não se trata apenas de “overdose”, dessa inflação de lives, festas pelo Zoom, Jitsi, WhatsApp, aulas remotas, congressos on-line e semelhantes, de ódio social e político no Facebook, Twitter ou no Instagram. Há uma nova, inédita e autêntica frustração frente à própria ideia de que a acumulação de dados produz um aumento da inteligência artificial, da nossa capacidade de lidar com problemas e tomar decisões.

O professor Gilson Schwartz lembra que “a frustração digital não é apenas resultado de ‘overdose’, de uso excessivo de computadores, mas da aplicação indiscriminada de um modelo de tomada de decisões que frequentemente ignora os contextos reais. Dá poucas garantias de transparência, legitimidade, governança, regulamentação. Abre espaço para toda a sorte de manipulação tóxica. Apropriação indébita de conteúdo e de direitos”.

Saiba mais no http://sites.usp.br/Iconomi

Acompanhe, pelo link acima, a íntegra da coluna.


Iconomia 
A coluna Iconomia, com o professor Gilson Schwartz, vai ao ar toda segunda-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção  do Jornal da USP e TV USP.

 

.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.