Fim da autorização para fazer laqueadura ou vasectomia endossa mudança nos costumes

Renato Janine analisa como as mudanças tecnológicas, culturais e de costumes alteraram a visão das pessoas sobre o desejo de ter filhos ou não, e também sobre o casamento

 17/08/2022 - Publicado há 1 mês  Atualizado: 18/08/2022 as 16:04
Por

Na última semana, o Senado Federal aprovou o fim da necessidade de autorização do cônjuge para a realização de laqueadura ou vasectomia. Em sua coluna, o professor Renato Janine Ribeiro aponta que essa decisão reflete mudanças culturais e de costumes. Antes, esperava-se que o casamento gerasse filhos e qualquer ação no sentido de impedir isso era malvista. Muitas pessoas não sabem, diz o colunista, mas até a década de 1960 ou 1970 não apenas havia poucos anticoncepcionais, como, em muitos países, era proibida a venda ou o acesso a eles. E o normal das relações sexuais era gerar filhos.

O professor lembra que a mudança desses costumes ocorreu devido ao progresso tecnológico, que levou ao desenvolvimento de métodos contraceptivos mais eficientes, como a pílula anticoncepcional, além de novos comportamentos, como a inserção de mulheres no mercado de trabalho e o fato de muitos casais optarem por ter poucos filhos ou mesmo não tê-los. E se a meta dos casamentos deixou de ser ter filhos, não faz sentido a autorização do cônjuge para procedimentos como laqueadura ou vasectomia. Nos tempos atuais, faz mais sentido ter autorização tanto da esposa como do marido para ter filhos, diz ele.

Janine aponta também que a meta das pessoas deixou de ser casar-se, como era há algumas décadas: esperava-se que a mulher tivesse um marido e que o homem tivesse uma esposa. “Tudo isso mudou muito. Essa decisão endossa essa mudança de costumes. A meta dos jovens não é mais, necessariamente, se casar, e a meta de quem se casa não é, necessariamente, ter filhos”, finaliza.


Ética e Política
A coluna Ética e Política, com o professor Renato Janine Ribeiro, vai ao ar toda quarta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.