Estações do Metrô com nomes de produtos dão margem a controvérsias

Raquel Rolnik entende que o nome das coisas é um patrimônio coletivo, que tem história e tem significado, e não pode ser definido a partir de estratégias de marketing daqueles que estão ocupando provisoriamente os governos

 02/09/2021 - Publicado há 2 meses
Por

Desde o início deste ano, os usuários do Metrô do Rio de Janeiro passam por uma estação cujo nome é Botafogo/Coca-Cola. O governo do Estado fez uma sessão onerosa com direito à denominação, podendo assim aumentar a receita do chamado naming rights – direitos de uso do nome. Segundo o Metrô, essa foi uma tentativa de recolher mais dinheiro, já que a arrecadação despencou em função da pandemia de covid-19.

O fato é que essa atitude gerou uma movimentação contrária à medida. A primeira é que os topônimos, os nomes das coisas, têm um patrimônio imaterial e não podem ser vendidos para qualquer interesse comercial. Eles têm um significado público. 

E a segunda questão levantada é que estamos falando de uma bebida industrializada, ultraprocessada, com grande adição de açúcar, que comprovadamente causa doenças como diabete e obesidade e outras doenças crônicas e até câncer. Por tudo isso, parece não fazer sentido colocar o nome de um produto (Coca-Cola) que causa doenças, que justamente vão aumentar o gasto da saúde pública do município.

Recentemente, foi anunciado em São Paulo que o bairro do Bom Retiro seria transformado em Koreatown, ou seja, uma denominação com inspiração em semelhante bairro de cidade norte-americana. A presença da imigração coreana no bairro é importante e significativa, mas muito longe de uma apropriação da diversidade cultural, étnica e histórica representada pelo bairro do Bom Retiro. Há uma luta de entidades do bairro nesse sentido  de querer reduzi-lo a apenas uma nacionalidade.

O Bom Retiro é diverso.  É coreano, boliviano,  paraguaio, peruano, nordestino, judaico, armênio, italiano, é muito mais do que isso, e não há sentido em transformá-lo em apenas uma única definição. O nome das coisas é um patrimônio coletivo, que tem história e tem significado e não pode ser definido a partir de estratégias de marketing daqueles que estão ocupando provisoriamente os governos.


Cidade para Todos
A coluna Cidade para Todos, com a professora Raquel Rolnik, vai ao ar toda quinta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.