Enfim, no Brás, um espaço para os ambulantes da Feira da Madrugada

A professora Raquel Rolnik avalia que “a discussão sobre o comércio popular deve continuar incluindo a violência policial e violação de direitos”

 Publicado: 25/11/2021
Por

O ano de 2021 se encerra de forma positiva para os ambulantes do Brás: a novela que se arrastava há anos, da Feira da Madrugada, chegou ao fim.

A professora Raquel Rolnik explica que “a feira ocupava um espaço público que pertencia ao governo federal e o terreno acabou sendo repassado para a Prefeitura, depois de um processo muito longo e burocrático. Foi feita uma concorrência pública e a concessionária Circuito de compras SPE venceu e vai poder explorar o local por 35 anos”, avalia.

O local, de 182 mil metros quadrados, vai dispor de 4 mil boxes em três pavimentos, mil lojas, praça de alimentação, banheiros, estacionamentos para 315  ônibus e 2.5 mil veículos.

Atualmente, existem 20 mil ambulantes trabalhando no entorno da área da Feira da Madrugada e o que está sendo ofertado são 400 vagas. Para Raquel Rolnik, “o empreendimento é positivo, mas não podemos esquecer da discussão sobre o comércio popular em torno dos ambulantes na cidade de São Paulo, principalmente na região central. Isso sem falar dos lojistas, que querem tirar os camelôs, ambulantes autorizados e não autorizados, ambulantes que querem ficar”, conclui.


Cidade para Todos
A coluna Cidade para Todos, com a professora Raquel Rolnik, vai ao ar toda quinta-feira às 8h30, na Rádio USP (São Paulo 93,7 FM; Ribeirão Preto 107,9 FM) e também no Youtube, com produção do Jornal da USP e TV USP.

.


Política de uso 
A reprodução de matérias e fotografias é livre mediante a citação do Jornal da USP e do autor. No caso dos arquivos de áudio, deverão constar dos créditos a Rádio USP e, em sendo explicitados, os autores. Para uso de arquivos de vídeo, esses créditos deverão mencionar a TV USP e, caso estejam explicitados, os autores. Fotos devem ser creditadas como USP Imagens e o nome do fotógrafo.